Como um aluno que tirava notas baixas se tornou um CEO de sucesso – Forbes Brasil
Carreira

Como um aluno que tirava notas baixas se tornou um CEO de sucesso

Roy LaManna

Roy LaManna, CEO de startups de música e tecnologia, canalizou suas dificuldades para obter sucesso (Divulgação)

Muitas vezes ouvimos que o sucesso nasce do esforço. Como Thomas Edison já falava, “Ser um gênio é 1% inspiração e 99% transpiração”.

Roy LaManna sabe bem dessa dificuldade. Atualmente, ele é muito respeitado no mundo das startups de música e tecnologia, mas nem sempre foi fácil.

LaManna nunca foi um aluno fantástico. “Eu era excelente em coisas em que eu era apaixonado”, afirma o empreendedor. “Se eu gostasse de uma aula, como física, eu conseguiria uma nota boa. Mas em estudos sociais eu era o tipo de pessoa que não fazia o dever de casa”. Mais tarde, tornou-se evidente que ele não seguiria o caminho tradicional de entrar em uma universidade, para conseguir um bom emprego e começar sua carreira. Portanto, LaManna sabia que precisava arranjar um meio diferente para sobreviver, mesmo “sem saber por onde começar”.

LEIA MAIS: CEOs mais admirados por fundadores de startups

Dentre todas as características que fizeram dele um aluno não tão bom, LaManna foi capaz de canalizar suas deficiências para transformá-lo em um empreendedor de sucesso. Ele sempre teve uma paixão pela música – durante o ensino médio ele tocava bateria em uma banda. Quando o expulsaram da banda por não ser bom o suficiente, ele se tornou o promotor do grupo, colocando-os em shows e desenvolvendo um senso de negócios muito bom.

Após ganhar alguma experiência, em 2008, um amigo de LaManna começou a trabalhar na Decaydance Records, do músico e empresário Pete Wentz, estava com um novo artista chamado Tyga. Eles tinham apenas US$ 5.000 para gravar e promover um vídeo em um mercado de Los Angeles. “Não havia dinheiro para ser feito, o local era do Pete Wentz, da banda Fall Out Boys, então eu senti que aquela era a oportunidade”, explica LaManna. Após conseguir resolver a situação, o empreendedor afirma que a experiência foi transformadora. “Eu perdi dinheiro no trabalho, mas comecei a ser conhecido como uma pessoa que conseguia resolver problemas, e tudo começou a crescer a partir disso”.

LEIA TAMBÉM: Conheça Christine Tsai, a desconhecida cofundadora de 500 startups

Depois de anos trabalhando no ramo da música sem obter grandes retornos, ele conseguiu contatos suficientes para abrir a Trendsetter Marketing, uma empresa de marketing de música e vídeo que trabalha com grandes artistas como Ariana Grande, Major Lazer e Andy Grammer, para ajudar a promover seus vídeos.

Depois de quatro anos, ele lançou a Vydia. Artistas como Aminé, Post Malone, Austin Mahone, Jimmy Buffett, Fetty Wap, Tom Delonge, da banda Blink 182, Keith Urban, entre outros, promovem seus vídeos em grandes mídias como a MTV, VH1. No Youtube, por exemplo, a Vydia fez com que mais de 100.000 artistas recebessem mais de US$ 1 bilhão por mês só com visualizações na plataforma. A companhia também arrecadou recentemente US$ 1,15 milhão em capital de risco em apenas uma rodada de financiamento.

E TAMBÉM: Irmãos fundam startup e se tornam os bilionários mais novos do mundo

LaManna acredita que continuar buscando o sucesso é o que o fez prosperar desde o início. “Quando eu comecei a minha primeira companhia, eu estava no modo de sobrevivência e procurava sempre uma vantagem para mim”, afirma. “Eu realmente acredito, mesmo com essa startup, que é necessário se dedicar constantemente para se manter prosperando no negócio”.

Quando perguntado sobre achar algum mercado que esteja com necessidades, LaManna considera importante estar atento ao que pode ocorrer e ter uma visão dos próximos 5 ou 10 anos. Muitas companhias de tecnologia olham apenas o contexto atual e pensam que essa é a sua melhor opção. Para o empreendedor, é preciso se destacar neste aspecto.

VEJA MAIS: Paris terá o maior campus de startups do planeta

O conselho que LaManna oferece para as pessoas que querem criar seu próprio negócio, mas têm medo de falhar, é compreender que a rejeição e o erro fazem parte do processo. “Tudo o que eu sei é resultado de algo que eu fiz errado e aprendi com a experiência. Eu sempre acreditei que pessoas espertas erram uma vez, aprendem com esse erro, e nunca mais o repetem. São as pessoas que cometem os mesmos erros ou que não os admitem que mais me preocupam”.

LaManna aconselha que as pessoas que queriam criar seu próprio negócio, mas que não possuem dinheiro para isso, criem um propósito. Segundo ele, a maioria das pessoas das suas companhias recebem um salário maior do que a maioria, mas eles acreditam na missão, na equipe e no contexto da empresa. Portanto, é necessário criar um senso de propósito, e com isso você vai conquistar muito dinheiro.

E MAIS: A pergunta que o bilionário Richard Branson faz a empreendedores na hora de investir

“Encontre pessoas que acreditam em você”, afirma LaManna. “Eu vejo a minha equipe como uma pessoa completa. Quero dizer, eu tenho muitas habilidades, mas não sou bom em tudo, então eu procuro ao meu redor pessoas que complementam outras habilidades que expandem as capacidades da companhia”.

Para ele, a ganância é muito prejudicial, e é necessário manter os gastos baixos e controlados. Um bom empreendedor pensa coletivamente e sabe gerenciar bem suas finanças.

Comentários
Topo