Carreira

Conheça a startup que alia trabalho remoto e viagens ao redor do mundo

Mevish Aslam

Mevish Aslam, fundadora do Terminal 3, em Chiang Mai, na Tailândia (Reprodução/FORBES)

Quem nunca sonhou em trabalhar de casa? Ou exercer sua atividade profissional do outro lado do mundo? Viajar pelo globo e fazer dinheiro ao mesmo tempo é a fantasia de muita gente – especialmente dos millennials, que descobriram que o segredo da felicidade é ter experiências em vez de acumular bens materiais e empregos flexíveis no lugar de enormes salários.

Com base neste cenário, há muitos programas que buscam conciliar as duas coisas – viagens e trabalho remoto – e uma onda massiva de empresas que permitem que grupos de nômades digitais realizem este sonho. Um dos exemplos de maior sucesso é o Terminal 3, fundada por uma mulher com muitos anos de experiência em viagens: Mevish Aslam, uma advogada de 31 anos que decidiu inovar. A startup reúne um grupo de empreendedores e freelancers que exploram uma cidade diferente por mês. Ficam sob sua responsabilidade todos os detalhes: desde acomodações até wifi, passando pelos espaços de coworking. “No Terminal 3, nós acreditamos que viajar é o melhor investimento no seu crescimento”, afirma Mevish.

LEIA MAIS: 10 coisas que seu currículo deve dizer nos primeiros dez segundos de leitura

Ela conta que a ideia do Terminal 3 surgiu a partir de sua estadia e experiência no Brasil, em 2015, por meio de um projeto chamado EU Brazil Connect, que, com duração de seis meses e programas desenvolvidos especialmente para trabalhadores remotos, liga empreendedores da Europa a incubadoras do país. “Logo nas primeiras semanas no Brasil, nosso grupo tornou-se uma incrível comunidade de pessoas com mentalidade semelhante, como uma família. Quando me dei conta, estava organizando jantares, eventos de networking, programas culturais, viagens de fim de semana para o Rio de Janeiro e muito mais. Tudo isso acabou levando ao nascimento da Terminal 3, de forma natural, alguns meses depois em Bruxelas”, lembra.

Mevish explica que os programas do Terminal 3 são desenhados por trabalhadores remotos para trabalhadores remotos, com duração de seis meses (embora haja a flexibilidade de aderir mês a mês). Os participantes experimentam morar em uma cidade por mês, são inseridos na cultura local e vivem como se fossem nativos – e não como turistas. Para viabilizar o processo, a startup contrata gerentes locais em cada uma das cidades. E seu trabalho se divide em duas partes: primeiro, se certificar de que tanto a acomodação quanto o espaço de coworking tenham um ótimo wifi. Depois, auxiliar o grupo a ter experiências locais autênticas. Além de uma excursão por mês, há um retorno para a comunidade.

LEIA TAMBÉM: 11 benefícios mais desejados por funcionários

“Em Marrocos, por exemplo, nós fomos mentores em empreendedorismo social. Em Berlim, atuamos como voluntários em um campo de refugiados. Enfim, todos os integrantes do Terminal 3 têm um objetivo profissional ou pessoal. E isso pode ser qualquer coisa, desde desenvolver uma rotina matinal ou um plano de exercícios físicos, até lançar um negócio. Geralmente, viajar é algo que pode deixar os planos de uma pessoa de lado, mas não no Terminal 3. Um mês antes da data de início do programa, uma sessão individual é agendada com um coach para desenvolver um planejamento que ajude a alcançar o objetivo. A partir disso, o coach vai fazer sessões mensais com cada um durante o programa.”

Atualmente, cerca de 70% das consultas para o programa são de millennials, enquanto 30% são da geração X. Apesar de não haver um critério de qualificação, a prioridade é para pessoas em busca de crescimento, que querem viajar para fazer a diferença e têm um projeto (ou um emprego estável para financiar esse projeto), além de uma mente aberta para viajar pelo mundo e sair da sua zona de conforto.

O último grupo – batizado de Os Alquimistas – começou em julho de 2015 em Rabat, no Marrocos. Desde então, passou por Berlim, Budapeste, Seul, Chiang Mai (a segunda maior cidade da Tailândia) e Bali. O próximo, chamado de Rumi, está previsto para maio de 2017 e começará na Tailândia. De lá, seguirá para Malásia, Japão, Espanha, Croácia e República Theca.

E TAMBÉM: Como ser o seu próprio coach motivacional de carreira

Quando perguntada sobre as desvantagens do trabalho remoto, Mevish, ela própria uma nômade digital que passou os últimos oito anos antes da criação do Terminal 3 viajando por 30 países nos cinco continentes, diz que existem alguns pontos negativos, como a falta de interação humana, que pode facilmente prejudicar a produtividade. A solidão também é um obstáculo, assim como o fato de trabalho e vida pessoal se misturarem quando o mesmo ambiente físico é usado para as duas funções. “O Terminal 3 resolve todos esses problemas. O participante do programa está inserido em um grupo de trabalhadores remotos, o que faz com que raramente se sinta solitário. Tem sempre alguém com quem jantar ou um companheiro para uma aula de yoga. Também há uma clara distinção entre o espaço pessoal e o espaço de trabalho”, explica.

Já sobre as vantagens, Mevish disse que as lições de vida aprendidas ao longo do caminho impulsionam o crescimento pessoal e profissional. “Pedir sua comida usando a linguagem de sinais, pegar um ônibus errado que te leva ao outro lado da cidade, se perder completamente, ser convidado para um jantar por um morador local – são esses desafios que nos fazem crescer. Isso não tem preço. Investimentos em bens materiais não podem comprar essas coisas. O melhor investimento da vida é em você mesmo.”

VEJA MAIS: 3 dicas para superar o desânimo no trabalho

A executiva também é cofundadora da Sprinters, responsável por promover uma série de meetups (encontros informais) e hackathons (maratonas de programação) de três dias para apoiar as mulheres em startups em todo o mundo. “Nós estamos engajando as mulheres no empreendedorismo e construindo irmandades de startups nos quatro continentes”, conta. “Como uma mulher da área de tecnologia, eu percebia o tratamento dispensado às profissionais do setor. A maioria dos hackathons na América do Sul e na África era promovido por homens, o que deixava as mulheres inseguras em participar, com medo de serem demitidas. Era preciso ter um programa como o Sprinters. Tive a ideia em Paraty, no Rio de Janeiro, durante um passeio de ônibus pela cidade. Lancei a sugestão para Saskia Naujok, uma empresária de Berlim. Ela adorou e colocamos a iniciativa em prática.”

Antes do Terminal 3 e da Sprinters, o salário anual de Mevish Aslam era de, aproximadamente, US$ 100.000. Atualmente, seus rendimentos estão abaixo dos US$ 10.000. Entretanto, para ela, a maior diferença não é a falta de dinheiro, mas sim poder fazer todos os dias algo de que ela realmente goste. “É uma oportunidade única de fazer a diferença. À medida que você cresce, você percebe que viver uma vida plena significa retribuir, de uma maneira ou de outra.”

E MAIS: 5 fatores que provam que você é inteligente, de acordo com a ciência

A empreendedora diz que, se pudesse dar um conselho para outras pessoas interessadas em começar seu próprio negócio, seria: “Não sente em cima da sua ideia e passe uma vida inteira arrependido. Lançar uma startup é um trabalho árduo, mas com paixão e persistência, tudo é possível. Se você começar, esteja preparado para dar o seu melhor – é tudo ou nada. Teste o mercado, trabalhe para obter os melhores resultados sempre e, mais importante, seja original.”

Mevish também tem uma dica para quem quer viver e trabalhar remotamente. “Teste um programa por um mês para ter certeza se esse tipo de vida realmente se encaixa com o seu estilo. Isso ajuda a mitigar o risco e o compromisso de longo prazo. É comum as pessoas imaginarem que trabalho remoto é sinônimo de diversão e tempo livre. Não é assim que funciona. Os profissionais remotos trabalham mais do que qualquer outro profissional que eu conheço. Além disso, é preciso ter a mente aberta para viver em comunidade, para saber lidar com as diferenças, construir amizades incríveis e viver experiências inesquecíveis.”

Comentários
Topo