Bill Gates investe no combate ao Aedes aegypti – Forbes Brasil
Colunas

Bill Gates investe no combate ao Aedes aegypti

Bill Gates

Bill Gates na Conferência de Segurança de Munique deste ano (Getty Images)

Na última Conferência de Segurança de Munique, na Alemanha, realizada em fevereiro deste ano, Bill Gates falou sobre as epidemias devastadoras que podem invadir o mundo nos próximos anos. Entre doenças como a SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave), Ebola e Zika, o bilionário afirma que precisamos ser cuidadosos e fazer um bom planejamento para suavizar os riscos de cada uma dessas ameaças.

LEIA MAIS: Bill Gates investe US$ 140 milhões na cura do HIV

Agora, o homem mais rico do mundo pretende investir no combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor no Brasil de zika, dengue e chikungunya. Gates, o fundador da Microsoft, revelou ontem (18), em Genebra, Suíça, que estabeleceu um acordo com o governo e outras entidades dos Estados Unidos no ano passado para doar US$ 18 milhões para pesquisas de modificação genética dos mosquitos, com o objetivo de torná-los estéreis.

Assessores de Gates dizem que esta pode ser a iniciativa de saúde de maior impacto da Gates Foundation, organização que já investiu mais de US$ 500 milhões no combate de doenças

Para o jornal “O Estado de S. Paulo”, o bilionário afirmou que os testes estão sendo feitos principalmente na Antioquia (Colômbia), no Rio de Janeiro e na Indonésia, e que os cientistas já observaram resultados positivos em países tropicais, como o Vietnã. Os assessores de Gates já apontaram que essa pode ser a iniciativa de saúde de maior impacto da Gates Foundation, organização que já investiu mais de US$ 500 milhões no combate de doenças.

LEIA TAMBÉM: 20 fatos inusitados sobre Bill Gates

O plano dos cientistas é colocar a bactéria Wolbachia no mosquito. A partir disso, as próximas gerações do inseto não teriam a capacidade de transmitir a doença, por serem estéreis. A bactéria está presente em 60% dos mosquitos e de outros insetos – mas não no Aedes aegypti. Caso os testes apresentem resultados positivos, a proteção da população dos locais afetados pode aumentar em 40%. “Essa é a novidade. Até o final do ano saberemos se isso vai funcionar”, disse o bilionário.

Além desses experimentos, de acordo com o jornal, o bilionário também revelou que está investindo em novos pesticidas. Entre 2005 e 2016, investiu US$ 100 milhões em um projeto de pesquisas no Reino Unido e já prometeu investir mais US$ 75 milhões. “Estamos fazendo muito esforço para lidar com o controle de vetores. Aqueles produtos que temos hoje, já criaram resistência [nos mosquitos]”, afirmou. De acordo com Gates, o financiamento passou por um debate na Organização Mundial de Saúde (OMS) para assegurar que esses novos químicos estejam dentro das normas estabelecidas.

E TAMBÉM: 5 ações mais atraentes da carteira de Bill Gates

Independentemente dos investimentos, Gates revelou que, apesar de tentativas de encontrar parceiros no Brasil, ele não conseguiu fechar um acordo com institutos do país para apoiar o desenvolvimento de vacinas. “Há um grande trabalho no Brasil. Mas, por enquanto, não temos uma vacina”, afirmou o bilionário.

Comentários
Topo