Colunas

Por que as empresas precisam de mais mulheres no comando

Divulgação

Leila Velez comanda ao lado de Zica Assis o Beleza Natural, a maior rede do Brasil especializada em cabelos crespos, cacheados e ondulados (Divulgação)

O Beleza Natural foi criado em 1993, em um fundo de quintal da zona norte carioca, e hoje é a maior rede do Brasil especializada em cabelos crespos, cacheados e ondulados, com mais 130 mil clientes mensais atendidos em 46 unidades, espalhadas em cinco Estados brasileiros e em Nova York.

LEIA MAIS: Renata Moraes Vichi: “O que parece impossível pode ser possível, basta querer!”

O império é obra de duas mulheres: Zica Assis, ex-babá e faxineira, uma das integrantes do ranking FORBES das 10 Mulheres de Negócios Mais Poderosas do Brasil, e Leila Velez, filha de porteiro, ex-atendente do McDonald’s, onde se tornou gerente aos 16 anos.
Em uma rápida entrevista, Leila conta um pouco sobre a sua história e os modelos que tem como referência.

FORBES Brasil: O que você diria para as mulheres que querem empreender?

LEILA VELEZ: Empreender é transformar um sonho, uma ideia, em realidade. Não é nada fácil, mas é uma das realizações mais gratificantes. Desenvolver um negócio e perceber que seu sonho passou a fazer parte da vida de muitas pessoas é uma honra. A responsabilidade é imensa e o desafio idem. O motor é atingir a excelência. Desafiar-se a fazer sempre melhor, ser mais produtivo, entrar em novos mercados…

FB: Como conciliar família e os negócios?

LV: Cresça sem esquecer qual seu verdadeiro propósito, qual a sua essência. Isso é fundamental. Precisamos, nos nossos muitos papéis (mães, esposas, filhas…), lembrar que perfeição não existe e que o equilíbrio perfeito é história da carochinha. Empreender dá muito trabalho, especialmente no começo do negócio. Mas não tente ser a mulher-maravilha. Saiba focar a energia na direção mais relevante no momento. Dependendo da fase, o pêndulo vai pesar mais para a família ou para o trabalho, e isso é normal. Não se culpe.

FB: Qual o segredo do sucesso?

LV: Para ter sucesso, a empreendedora deve lembrar que nada se constrói sozinho e escolher o melhor time que puder pagar. Nunca deixe que o sucesso tire a humildade e o foco em se reinventar sempre, pois quem manda são os clientes, e o mundo muda cada vez mais rápido. Lembre que sempre há o que se aprender e que saber ouvir faz toda diferença. Seja ainda feliz a cada passo. Nos dias bons e ruins. Nos bons, comemore, e nos ruins, aprenda. Visualize o que quer conquistar. Saboreie como vai ser. Imagine cada detalhe.

FB: Como você começou a sua carreira?

LV: Comecei a trabalhar aos 10 anos, com entregas. Aos 12, vendia cosméticos porta a porta. Com 14 anos, fui trabalhar no McDonald’s, onde me tornei gerente aos 16. Aos 19, abri o Beleza Natural com meus sócios.

FB: Como você se preparou?

LV: Fui estudar administração na ESPM, com a empresa em funcionamento. Depois, já com dois filhos, fui fazer um MBA Executivo na Coppead. Quero sempre me aprimorar. Fiz vários cursos no Brasil e em Harvard, Columbia e Stanford. Vejo o conhecimento como atalho para meus sonhos.

FB: Você teve algum modelo de referência que a estimulou a se tornar uma profissional deste porte?

LV: Minha família é minha referência primordial. No campo profissional, gosto de fazer um mosaico de pessoas que considero incríveis e que admiro profundamente. Jorge Paulo Lemann, pela ousadia, competência e a enorme preocupação em devolver para sociedade algo transformador, como a educação de jovens em vários projetos que apoia. Steve Jobs, pela capacidade visionária. Walt Disney, pela preocupação constante com a excelência. Edson Bueno, da Amil, por me ensinar a me cercar de gente boa. E há tantos outros…

FB: Qual foi o momento mais importante da sua carreira?

LV: Não vejo meu caminho como algo concluído. A cada momento, o desafio é diferente, conheço novas pessoas, lugares e realidades, que me trazem uma percepção ampliada do mundo e da minha vida. Tive muitos momentos maravilhosos, mas sempre acho que o melhor está por vir.

FB: A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou o Projeto de Lei 112/2010, que define percentual mínimo de participação de mulheres nos conselhos de administração das empresas publicas. O que você achou desta decisão?

LV: Excelente, mas é uma pena que a sociedade não tenha evoluído na velocidade necessária e que ainda precisemos de cotas para que isso ocorra. Para as mulheres, é um reconhecimento mais do que devido da sua importância e competência. Mas as empresas é que mais se beneficiarão em contar com o olhar feminino nas suas decisões estratégicas. Diversidade traz resultados.

* Formada em comunicação social, com pós em MKT Internacional na Itália e MBA em MKT Digital pela FGV, Fabi Saad participou do Women Leadership Program em Oxford com líderes como Samar Al Mafragy & Nadja Swarovski.

Fabi Saad é uma colaboradora de FORBES Brasil. Sua opinião é pessoal e não reflete a visão editorial de FORBES Brasil.

Comentários
Topo