Carreira

11 dicas para crescer durante a crise, por Caito Maia

“Emocionante”, é assim que Caito Maia, fundador e presidente da Chilli Beans, define o ano de 2015. Com 70% da operação da empresa em dólar, a instabilidade do real brasileiro em relação à moeda norte-americana tornou os negócios do empresário, no mínimo, mais desafiadores.

VEJA TAMBÉM: 8 empresários e empreendedores falam sobre a crise no Brasil

Maia diz que, no entanto, não desanimou. Em vez de reclamar das adversidades, tomou algumas atitudes ousadas, como reduzir o preço dos produtos para aumentar o giro e passar 15 dias na China para renegociar com seus fornecedores.

NÃO PERCA: 7 dicas para se adaptar às mudanças de mercado, segundo o CEO da 99Taxis

O resultado foi um crescimento de 6% em relação a 2014 e a abertura de 100 novas lojas ao longo do ano. “É muito fácil colocar a culpa na crise”, afirma o empresário. “Prefiro falar em oportunidade.”

E MAIS: Airbnb surfa na crise para crescer no Brasil

Veja na galeria de fotos 11 dicas para crescer mesmo durante uma crise:

  • Não se lamente, aja

    Maia não gosta da palavra crise. “Vamos falar em momentos de oportunidade”, afirma o empresário. Lamentar-se a cerca das circunstâncias ruins da economia, por mais fortes que elas sejam, não ajudará a tocar o negócio. É preciso planejar e olhar para frente. “É muito fácil colocar a culpa na crise”, completa.

  • Conheça a sua empresa e faça uma autoanálise

    A Chilli Beans fechou o ano com 700 lojas em 14 países. Operar um negócio desse, por mais que funcione com o modelo de 98% de franqueados, não é nada fácil. Maia, por exemplo, não abre a mão de visitar as lojas das marcas para conversar com os gerentes.

    Não importa o tamanho do seu negócio, se você não conhecê-lo a fundo, não terá como transformá-lo.

  • Entenda seu público

    “Eu não acredito em sasonalidade em um país tropical como o Brasil”, afirma Maia. Ele conta que decidiu fugir da tradição da moda, de lançar coleções de outono/inverno ou primavera/verão, e decidiu focar em temas mais variados, que mudam a cada três meses. Neste ano, por exemplo, vai de um retorno aos anos 90, modelos esportivos na época das Olimpíadas e peças inspiradas nas obras de Cazuza, Legião Urbana e Nirvana.

  • Saiba quanto o seu cliente pode pagar

    Ao conversar com vendedores e funcionários, Maia descobriu que o interesse no por seus óculos se manteve, mas o poder de compra diminuiu. Diante do quadro, tomou uma decisão ousada: baixou os preços dos produtos entre 5% e 8%. “Não repassamos os custos [da alta do dólar] para o consumidor e ganhamos no giro.”

  • Diversifique o público alvo

    De acordo com o empresário, seu público é variado. “Vai de B a A+.” Quanto mais opções você tiver, maior o público a ser atingido.

    Maia reforça, no entanto, que é preciso saber quem é o seu cliente. A Chilli Beans distribui os mesmos modelos, que vão de R$ 138 a R$ 298, para todas as lojas no Brasil. O que muda é a porcentagem de cada um de acordo com o perfil de consumidor de cada unidade.

  • Amplie as opções de negócio

    Reajustar o preço não foi a única medida tomada para manter o crescimento. Como 70% de sua operação é cambiada em dólar, Maia foi pessoalmente à China, onde passou 15 dias negociando com seus fornecedores. O resultado foi uma redução do custo em 20%.

    Além disso, ele procurou pelos mesmos serviços no Brasil e achou mais opções de empresas para negociar em real. Enquanto, em 2015, 90% do seu material vinha da China, em 2016, a porcentagem será de 70%.

  • Faça cortes se for necessário

    Mesmo com as reduções de custo, muitas vezes, mantém-se necessário enxugar a equipe. Avalie e calcule o quanto será preciso cortar. De acordo com Maia, a Chilli Beans diminuiu o seu quadro em 10% no último ano.

  • Faça o seu produto girar

    A Chilli Beans lança dez modelos novos por semana, entre óculos escuros, de grau e relógios. “Isso é uma vantagem, porque mantém a coisa viva”, explica Maia. “A cultura de franquia no Brasil estoca muito o franqueado. Isso não acontece aqui.”

  • Ache uma maneira de fidelizar o cliente

    Além de lançar novos produtos a cada semana, a Chilli Beans muda de coleção a cada três meses. De acordo com Caito, isso não só ajuda a fazer o produto girar como fideliza o cliente, ansioso por um produto novo e mais exclusivo. “A maioria das marcas ficam com modelos iguais”, afirma o empresário. “O consumidor quer ser ele, ter algo dele.” Ache uma forma de o seu cliente continuar a consumir sua marca.

  • Seduza sua equipe

    A convenção de franqueados da Chilli Beans vai muito além de um grande evento: há dois anos, transformou-se em um cruzeiro. Maia juntou sua marca ao Fashion Cruise, um cruzeiro de quatro dias que promove desfiles e workshops de moda, promovido há nove anos pela agência Dreamakers. A edição de 2016, entre 1 e 4 de abril último, reuniu cerca de 4.000 pessoas, entre franqueados, funcionários, estudantes de moda e interessados no assunto.

  • Seja apaixonado pelo o que você faz

    “Você tem de fazer escolhas, [minha vida] é uma correria, mas sou apaixonado pelo o que faço, amo ver isso todo crescer.”

    Não é só a sua vida que melhora quando você ama que faz, mas as dos seus sócios, funcionários e colaboradores também. Isso se reflete diretamente no seu negócio.

Não se lamente, aja

Maia não gosta da palavra crise. “Vamos falar em momentos de oportunidade”, afirma o empresário. Lamentar-se a cerca das circunstâncias ruins da economia, por mais fortes que elas sejam, não ajudará a tocar o negócio. É preciso planejar e olhar para frente. “É muito fácil colocar a culpa na crise”, completa.

Comentários
Topo