Após derrota em tribunal da Pensilvânia, Trump enfrenta pressão para reconhecer eleição de Biden

 Tasos Katopodis/Getty Images
Tasos Katopodis/Getty Images

Atual presidente dos Estados Unidos moveu ações judiciais para invalidar a vitória do democrata

Depois de um duro revés em tribunal da Pensilvânia, o presidente Donald Trump enfrenta pressão cada vez maior de seus colegas republicanos para desistir de sua tentativa de deslegitimar a eleição presidencial dos EUA e enfim reconhecer a vitória do democrata Joe Biden.

Desde que Biden foi declarado vencedor há duas semanas, Trump lançou mão de uma enxurrada de ações judiciais e montou uma campanha para impedir que os Estados certificassem a totalização dos votos.

LEIA MAIS: Republicanos pedem a órgão eleitoral de Michigan que adie certificação de resultados da eleição

Até agora, as tentativas de impedir a certificação falharam nos tribunais da Geórgia, Michigan e Arizona.

No sábado, Matthew Brann, um juiz federal republicano nomeado pelo ex-presidente Barack Obama, derrubou ação semelhante na Pensilvânia, escrevendo que o caso possuía “argumentos jurídicos sem mérito e acusações especulativas”.

Para que Trump tenha alguma esperança de permanecer na Casa Branca, ele precisa derrubar a vantagem de 81.000 votos de Biden na Pensilvânia. O Estado deve começar a certificar seus resultados na segunda-feira.

O corpo jurídico de Trump prometeu recurso rápido, mas os advogados que se opuseram a ele no tribunal dizem que ele já não tem tempo hábil.

“Isso deve colocar o prego no caixão para qualquer outra tentativa do presidente Trump de usar os tribunais federais para reescrever o resultado das eleições de 2020”, disse Kristen Clarke, presidente do Comitê de Advogados para os Direitos Civis nos Termos da Lei.

LEIA TAMBÉM: Príncipe Harry saúda investigação sobre entrevista concedida por sua mãe

Alguns dos colegas republicanos de Trump no Congresso estão se voltando contra ele.

O senador republicano Pat Toomey disse que a decisão anula qualquer chance de uma vitória legal na Pensilvânia e pediu a Trump que reconheça a eleição de Biden.

Liz Cheney, membro da liderança republicana na Câmara dos Deputados, havia pedido anteriormente a Trump que respeitasse “a santidade de nosso processo eleitoral” caso não tivesse sucesso no tribunal. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).