Como funciona o tratamento clínico da calvície?

robertprzybysz/Getty Images
robertprzybysz/Getty Images

Em casos iniciais de perda capilar ou casos de rarefação capilar, o ideal é iniciar pelos tratamentos clínicos, ou seja, com medicamentos

Quando os pacientes começam a perder fios de cabelo, surge logo a preocupação: “será que vou ficar careca?”. Principalmente quando há uma história familiarcom parentes próximos calvos. O que fazer nesta fase? O mais importante passo é procurar um médico dermatologista, de preferência que tenha foco no tratamento das desordens do cabelo, para investigar a causa da perda de fios e assim direcionar um tratamento adequado.

Em casos iniciais de perda capilar ou casos de rarefação capilar, o ideal é iniciar pelos tratamentos clínicos, ou seja, com medicamentos. Estes tratamentos, se bem prescritos e executados, podem retardar e muito a evolução da calvície. E este é exatamente o objetivo de todos os tratamentos clínicos: diminuir a queda de fios e melhorar a qualidade dos que ainda existem, com consequente melhora na aparência e sensação de volume.

É importante frisar que nenhum tratamento faz nascer fios novos onde não há mais folículos. É comum, de tempos em tempos, surgirem promessas de tratamentos milagrosos que trazem seu cabelo de volta em x meses. Infelizmente, esses tratamentos não existem e deve-se tomar muito cuidado com essas ofertas.

Porém, existem várias opções de tratamento para a queda de fios, cada um com diferentes mecanismos de ação. Temos à disposição medicações orais, sendo o mais conhecido o medicamento Finasterida, um medicamento aprovado para o tratamento da calvície pelo FDA (Food and Drug Administration) americano em 1997 e, nestes 23 anos de evolução do seu uso, é um dos medicamentos mais eficazes para diminuir a queda de cabelos.

 

Já entre as medicações tópicas, ou seja, para aplicar no couro cabeludo, o mais conhecido é o Minoxidil, também aprovado pelo FDA americano, desde 1988 para homens, e 1992 para mulheres, com efeito vasodilatador (aumento da circulação).

As duas medicações acima são a base do tratamento clínico da calvície, mas muitos outras opções existem atualmente como loções tônicas, shampoos apropriados, lasers de baixa potência, terapia de fotobiomodulação, que utiliza a energia luminosa para estimular os folículos pilosos. Mais recentemente, um conceito conhecido como drug-delivery, onde o médico faz pequenas perfurações no couro cabeludo para a microinfusão de ativos e um efeito potencializado, tem mostrado excelentes resultados.

Quando a medicina apresenta mais de um tratamento para uma determinada entidade isto significa que nenhum é 100% eficaz. Portanto, o ideal é que uma associação de tratamentos seja utilizada e prescrita individualmente para cada pessoa, sempre após uma criteriosa consulta médica. Evitar a auto-medicação é fundamental.

Este texto é apenas informativo e não deve ser utilizado como sugestão de medicações nem estímulo à auto-medicação. Para diagnóstico, prescrições individualizadas e efeitos colaterais, consulte um médico dermatologista.

Márcio Crisóstomo é cirurgião plástico formado no Instituto Ivo Pitanguy, especialista em Transplante Capilar nos Estados Unidos pelo American Board of Hair Restoration Surgery, com pós-graduação em Surgical Leadership pela Harvard Medical School.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).