China estipulará metas econômicas detalhadas para 2021-2025, diz órgão de planejamento

istock
istock

Governo descartou a meta de crescimento anual do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 pela primeira vez desde 2002 por causa da incerteza causada pela Covid-19

A China estipulará metas econômicas detalhadas para o período 2021-2025 para ajudar a estimular crescimento, após uma reunião de líderes de alto escalão, disse o vice-chefe da entidade estatal de planejamento hoje (30).

Ning Jizhe, vice-diretor da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC), disse em uma coletiva de imprensa que a entidade “apresentará metas quantitativas correspondentes e indicadores específicos” para o 14º plano quinquenal (2021-2025), alinhado com as recomendações dos líderes.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O governo descartou a meta de crescimento anual do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 pela primeira vez desde 2002 por causa da incerteza causada pela Covid-19, mas mesmo assim estabeleceu objetivos para o emprego, a inflação e o déficit fiscal.

A China almeja um desenvolvimento econômico sustentável e saudável nos próximos cinco anos, com ênfase em um crescimento de mais qualidade, disse o Comitê Central do Partido Comunista.

O comunicado não informou uma meta percentual específica de crescimento para a segunda maior economia do mundo, mas metas devem ser anunciadas quando o plano quinquenal for aprovado na reunião anual do Parlamento no início de 2021.

Centros de pesquisa do governo e economistas fizeram recomendações para metas de crescimento anual médio do PIB, entre elas as de cerca de 5%, 5-5,5% e 5-6%, disseram fontes. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).