Atividade industrial dos EUA desacelera em novembro

Phynart Studio/GettyImages
Phynart Studio/GettyImages

O desaquecimento da indústria sustenta expectativas de forte desaceleração do crescimento econômico no quarto trimestre

A atividade manufatureira dos Estados Unidos desacelerou em novembro, com os novos pedidos recuando de seu nível mais alto em quase 17 anos, já que um ressurgimento de casos de Covid-19 em todo o país manteve os trabalhadores em casa e as fábricas temporariamente fechadas para higienização das instalações.

O Instituto de Gestão do Fornecimento (ISM, na sigla em inglês) alertou hoje (1) que as interrupções nas fábricas e seus fornecedores, bem como as dificuldades em retornar e contratar trabalhadores, continuarão a afetar a manufatura até o fim da crise do coronavírus.

A desaceleração da atividade industrial sustenta as expectativas de forte desaceleração do crescimento econômico no quarto trimestre.

“A temida desaceleração econômica está começando, mas é bem lenta”, disse Joel Naroff, economista-chefe da Naroff Economics.

O índice da atividade industrial nacional do ISM caiu para uma leitura de 57,5 ​​no mês passado, ante 59,3 em outubro, que tinha sido seu maior nível desde novembro de 2018. Uma leitura acima de 50 indica expansão na indústria, que responde por 11,3% da economia dos EUA.

Economistas consultados pela Reuters previam que o índice cairia para 58 em novembro. Dezesseis setores manufatureiros, incluindo produtores de madeira, máquinas e equipamentos de transporte, relataram crescimento no mês passado. Produtores derivados de petróleo e carvão, bem como fábricas de impressão e atividades de suporte relacionadas, recuaram.

Um segundo relatório do Departamento de Comércio dos EUA desta terça mostrou um avanço sólido nos gastos com construção em outubro, mas os gastos em setembro na verdade diminuíram em vez de registrar um ganho modesto, como foi estimado anteriormente. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).