Conselho da Petrobras autoriza convocação de assembleia para destituição de Castello Branco

REUTERS/Ricardo Moraes
REUTERS/Ricardo Moraes

A empresa pode ter CEO interino por prazo legal de troca de comando, dizem fontes

O conselho de administração da Petrobras autorizou a convocação de uma assembleia geral extraordinária para avaliar a destituição do presidente Roberto Castello Branco do cargo de membro do colegiado e delegou ao líder do conselho a definição de uma data para a reunião de acionistas, informou a petroleira em fato relevante hoje (23).

Segundo a petroleira, a destituição de Castello Branco do cargo de membro do conselho, uma vez efetivada, acarretará a destituição dos demais sete membros do colegiado, eleitos pelo processo do voto múltiplo em 2020, conforme está previsto na lei.

A companhia poderá ser comandada por um interino durante o processo de transição do atual presidente Roberto Castello Branco para o indicado para o cargo, general Joaquim Silva e Luna, segundo duas fontes com conhecimento do processo.

O mandato de Castello Branco vence em 20 de março, mas não haveria tempo legal para a realização da assembleia de acionistas para confirmar Luna antes do dia 30.

Procurada, a Petrobras não comentou o assunto. As fontes não souberam afirmar quem poderia ficar no comando.

O general da reserva – indicado pelo presidente Jair Bolsonaro após atritos com o atual CEO sobre preços de combustíveis – já iniciou contatos com a Petrobras para assinar e apresentar documentos que serão analisados e passarão pelos ritos de governança da estatal, segundo as fontes, que preferiram ficar no anonimato.

“Ele (Luna) já começou a recolher e assinar uma verdadeira pilha de documentos. Esse material deve ser entregue à Petrobras até sexta-feira”, afirmou uma das fontes.

“Só após a entrega da documentação e análise dos papéis pelos comitês internos da empresa é que a assembleia extraordinária para indicar o nome do general para o conselho da empresa poderá ser convocada.”

E, por força de lei, a assembleia tem que ocorrer num prazo de 30 dias após a convocação, segundo as fontes.

“Como imagina-se que a convocação será feita na semana que vem, a perspectiva é que a assembleia aconteça em 30 de março”, disse uma segunda fonte.

“Com o nome aprovado, estima-se que o conselho de administração vai se reunir no dia seguinte e aprovar a indicação de Luna para o colegiado e consequentemente para presidência (executiva)”, disse a primeira fonte.

Luna é atual diretor-presidente de Itaipu e pretende se desligar da binacional assim que tiver o nome aprovado pela Petrobras. Um outro general, João Francisco Ferreira, vai assumir o comando brasileiro da hidrelétrica. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).