Ibovespa fecha em queda com peso de incertezas fiscais e Petrobras

O Ibovespa encerrou o pregão de hoje em queda de 0,19% aos 119.471 pontos, com a Petrobras novamente entre os destaques negativos do dia em meio à desconfiança dos investidores sobre a autonomia da estatal na política de preços dos combustíveis.

“A Petrobras continua pesando no Ibovespa, dado o fluxo de notícias negativo relacionado a uma suposta interferência do governo na empresa”, ressaltou o diretor de investimentos da Reach Capital, Ricardo Campos.

O mercado segue cauteloso ainda em relação às negociações para o novo auxílio emergencial. Ontem, o presidente Jair Bolsonaro confirmou em cerimônia no planalto a negociação de uma nova rodada de recursos às famílias, mas ponderou que qualquer medida deve ser tomada levando em conta o compromisso do governo com o mercado e com os investidores.

“Estamos negociando com Onyx Lorenzoni, Paulo Guedes, (Rogério) Marinho, entre outros, a questão de um auxílio ao nosso povo que está ainda em uma situação bastante complicada”, disse Bolsonaro.

O formato do novo auxílio ainda está em construção, de acordo com Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, mas deve ser em um valor menor que as últimas parcelas e também atender metade das pessoas que foram atendidas pelo auxílio pago no ano passado. Fontes ouvidas pela agência Reuters afirmam o governo estuda o pagamento de R$ 200, durante três meses, a 30 milhões de brasileiros não participantes do programa Bolsa Família.

Em Wall Street, os índices terminaram o dia em campo misto, com o Dow Jones e o S&P 500 em correção técnica após o rally dos últimos dias, enquanto o Nasdaq, benchmark de tecnologia, renovou as altas na sessão. O mercado norte-americano segue em compasso de espera para aprovação do novo pacote fiscal, da ordem de US$ 1,9 trilhão.

O índice NYSE FANG+TM, que inclui Facebook Inc, Netflix Inc e Tesla Inc, bateu uma máxima recorde no pregão. O Dow Jones terminou recuando 0,03% aos 31.375 pontos, o S&P 500 perdeu 0,11% aos 3.911 pontos e o Nasdaq teve alta de 0,14% aos 14.007 pontos.

Com o número de casos Covid-19 nos EUA em queda e expectativas de que o pacote de estímulo seja aprovado no Congresso, investidores têm dificuldade em encontrar pontos negativos significativos para fortes correções, disse Michael James, diretor-gerente de negociação de ações da Wedbush Securities, em Los Angeles.

“Você não está vendo dinheiro saindo do mercado e indo para o caixa”, disse James. “Você está vendo dinheiro saindo de um setor e sendo rotacionado para outro para manter uma tendência geral de longo prazo.”

O dólar terminou o dia em alta de 0,22% contra o real, a R$ 5,38 na venda, apesar de intervenção do Banco Central durante o dia com a oferta de mais de US$ 1 bilhão no mercado de derivativos. O movimento na sessão refletiu o receio do mercado com a possibilidade de mais despesas públicas sem contrapartidas fiscais, levando o real ao pior desempenho global no dia.

Maiores Altas
SBSP3: +7,10% a R$ 42,56
CSNA3: +2,43% a R$ 35,45
UGPA3: +2,22% a R$ 24,39
BBSE3: +1,74% a R$ 28,58
SANB11: +1,62% a R$ 40,86

Maiores Baixas
PRIO3: -4,13% a R$ 77,74
EZTC3: -3,36% a R$ 36,84
JHSF3: -3,03% a R$ 7,35
GOLL4: -2,95% a R$ 25,00
PETR3: -2,60% a R$ 27,71

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).