Investidores da Tesla têm opiniões divergentes sobre investimento de US$ 1,5 bi em bitcoin

NurPhoto/GettyImages
NurPhoto/GettyImages

A dificuldade de avaliar a criptomoeda notoriamente volátil tem sido motivo de preocupação para os investidores

Investidores da montadora de carros elétricos Tesla estão questionando se o gasto de US$ 1,5 bilhão de Elon Musk em bitcoin será tão bom para a empresa quanto foi para a criptomoeda.

O anúncio da Tesla na segunda (8) de que havia movido quase 8% de suas reservas para bitcoin elevou o preço da criptomoeda a níveis históricos, subindo mais de 16% nesta semana, enquanto as ações da Tesla caíram quase 6%. Outras empresas podem seguir o exemplo da Tesla, com o vice-presidente financeiro do Twitter dizendo à CNBC que a empresa considerou adicionar bitcoin ao seu balanço patrimonial.

Acionistas expressaram preocupação de que o investimento da Tesla, que recentemente se juntou ao índice de ações S&P 500, possa alimentar mais oscilações nas ações da empresa.

“Isso aumentará a volatilidade das ações devido à exposição ao bitcoin”, disse King Lip, estrategista-chefe da Baker Avenue Wealth Management, que possui ações da Tesla desde 2015. “Isso é melhor para o bitcoin do que para o Tesla.”

Gary Black, ex-presidente-executivo da Aegon Asset Management e agora um investidor privado que está otimista com a Tesla desde 2019, anunciou na segunda no Twitter que havia vendido suas ações da Tesla. Ele citou a ausência de uma meta de entregas para 2021 e a estratégia de alocação de capital mais arriscada da empresa, entre outros motivos.

A dificuldade de avaliar a criptomoeda notoriamente volátil no longo prazo também era motivo de preocupação para os investidores.

“Elon Musk expôs a Tesla a um imenso risco de avaliação de mercado”, escreveu Peter Garnry, chefe de estratégia de ações do Saxo Bank, em relatório, referindo-se a um método contábil desenvolvido para medir o valor justo das contas – ativos e passivos – para fornecer uma medida do desempenho financeiro atual.

Brett Winton, diretor de pesquisa da ARK, disse que o investimento em bitcoin da Tesla foi um “uso apropriado de dinheiro” e não mudou sua perspectiva sobre a montadora.

“Estamos confortáveis com a forma como prevemos as posições que colocamos nossos clientes”, disse ele.

Musk, o presidente-executivo da Tesla, detém a maior parte das ações da Tesla em circulação, de acordo com dados da Refinitiv, seguido pela Capital World Investors, The Vanguard Group, Baillie Gifford & Co e BlackRock Institutional Trust. A Vanguard não quis comentar, enquanto a Capital World Investors e a BlackRock não responderam às perguntas.

O sócio da Baillie Gifford, James Anderson, disse ao The Times que estava satisfeito com o investimento, mas sua empresa iria discutir o estabelecimento de limites sobre quanto poderia ser investido no ativo. Baillie Gifford não quis comentar.

Ainda assim, os investidores da Tesla foram recompensados por se manterem comprados em uma das ações mais controversas de Wall Street. Nos últimos 12 meses, as ações subiram 422%.

Na verdade, a popularidade descomunal de Musk pode significar que muitos investidores de longa data estão inclinados a ver a mudança de forma positiva.

“Tenho acompanhado esta empresa há muito tempo e…eles tomam grandes decisões certas”, disse Graham Tanaka, presidente e diretor de investimentos da Tanaka Capital Management, que detém ações da Tesla. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).