Vale e Itaú pesam, mas Ibovespa fecha no azul com exterior e reformas

O Ibovespa terminou o dia em alta de 0,61% aos 118.233 pontos, com ganhos limitados pelo desempenho da Vale, pressionada pelo preço do minério de ferro, e do Itaú Unibanco, recuando após balanço do quarto trimestre de 2020. O sentimento positivo no exterior e a vitória dos candidatos do governo nas presidências da Câmara e do Senado na noite de ontem, no entanto, sustentaram o índice brasileiro no azul.

Em Wall Street, os benchmarks do mercado também fecharam em alta, com investidores ajustando posições no pregão para os balanços de gigantes como Alphabet, holding do Google, e Amazon, divulgados logo após o fechamento. Das 189 empresas no S&P 500 que divulgaram seus balanços até ontem, 81% dos resultados superaram as expectativas do mercado, segundo análise da FactSet.

Os investidores norte-americano acompanham de perto também as negociações para um novo pacote de estímulo à economia. Ontem, um grupo de senadores republicanos apresentou uma contraproposta de gastos de US$ 618 bilhões, bem abaixo do pacote de US$ 1,9 trilhão elaborado pela equipe do presidente Joe Biden.

O índice Dow Jones terminou o dia em alta de 1,57% aos 30.687 pontos, o S&P 500 avançou 1,39% aos 3.826 pontos, enquanto o Nasdaq subiu 1,56% aos 13.612 pontos.

O dólar terminou a sessão com recuo expressivo, perdendo 1,73% a R$ 5,35 na venda, com o real liderando os ganhos entre as principais moedas em um dia positivo para ativos de risco no mundo e com o ambiente político doméstico apontando para a retomada da agenda de reformas. Análises de profissionais do mercado destacaram que, apesar de pronta para um retorno, a pauta econômica ainda enfrentará dificuldades políticas.

“A estagnação dessa pauta (econômica) em 2020 ocorreu muito mais em função da eclosão da pandemia do coronavírus e da trepidez do próprio governo do que de uma postura antagônica dos antigos presidentes do Legislativo. Para que as reformas avancem em 2021, a mudança terá de vir do próprio Planalto”, disse Conrado Magalhães, da Guide.

Para Gustavo Arruda, economista chefe do BNP Paribas no Brasil, o Congresso está hoje menos preso à relação de troca com o governo do que o próprio Executivo. “Então vejo uma chance de a gente se decepcionar com a agenda” de reformas, disse, citando como exemplo o risco do Legislativo aprovar um novo auxílio emergencial sem contrapartidas.

Apoiado pelo governo, o deputado Arthur Lira (PP-AL) foi eleito com larga vantagem em primeiro turno para a presidência da Câmara. O novo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), prometeu na noite de ontem esforço para conduzir pautas de interesse do Poder Executivo. (Com Reuters)

DESTAQUES DO IBOVESPA

Maiores Altas
BTOW3: +6,87% a R$ 89,30
TOTS3: +6,77% a R$ 30,28
EMBR3: +6,72% a R$ 9,53
BRKM5: +6,34% a R$ 27,18
VVAR3: +6,26% a R$ 15,28

Maiores Baixas
BRAP4: -5,71% a R$ 61,06
VALE3: -3,96% a R$ 87,66
CSNA3: -3,44% a R$ 30,60
ITUB4: -2,13% a R$ 28,46
USIM5: -2,10% a R$ 13,07

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).