Amazon aumenta velocidade do seu rolo compressor de lojas físicas

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Companhia de varejo digital está prestes a se tornar também gigante no varejo tradicional, com 3.600 lojas físicas

Enquanto a mídia se concentrava na espiral decrescente da morte do varejo físico, a Amazon estava ocupada aumentando a implantação de lojas físicas, uma iniciativa que muitos creditaram como um experimento ou testes de marketing.

Não é nada disso, diz Adam W. Ifshin, membro do conselho do Conselho Internacional de Shopping Centers (ICSC, na sigla em inglês), um grupo de comércio do setor.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Com base em estudos do ICSC, a Amazon está a caminho de se tornar uma gigante no varejo tradicional, com até 3.600 lojas físicas. “Há apenas uma empresa de comércio eletrônico que importa e é a Amazon”, diz Ifshin. “E o que eles estão fazendo? Eles estão tentando se tornar o Walmart.

Enquanto a maioria das notícias de varejo durante a pandemia se concentrava no aumento das compras online, no declínio do varejo tradicional e no esvaziamento dos shopping centers, a Amazon construía lojas físicas em várias categorias do varejo.

De acordo com o site da Amazon, a empresa opera atualmente cerca de 100 localidades de varejo sob diferentes submarcas:

O Amazon 4-star tem 31 físicas, incluindo uma no Soho, sofisticado bairro em Manhattan. Trata-se de um espaço de varejo elegante, que oferece aos clientes produtos muito populares que tenham em média quatro estrelas ou mais. (“Escolhemos os favoritos dos clientes na Amazon.com para ajudá-lo a encontrar os produtos que você vai adorar.”)

O Amazon Go possui 28 lojas nos EUA e no Reino Unido e trata-se de uma rede de lojas de conveniência. (“Boa e rápida comida. Sem filas, sem check-out. Sério.”)

O Amazon Go Grocery possui duas lojas e trata-se de um supermercado sem caixas. (“Nunca espere na fila para finalizar uma compra novamente.”)

O Amazon Books está em 24 localidades nos EUA e vende o produto que primeiro colocou a Amazon em evidência e destruiu grande parte da presença das livrarias no varejo.

O Amazon Pop Up tem sete lojas e vende as principais marcas da Amazon. (“Uma seleção temática das principais marcas, frequentemente atualizada e apresentada a você pela Amazon.”)

O Amazon Fresh (“Os preços baixos nunca foram tão saborosos”) tem cinco cinco lojas.
A Amazon também possui o Whole Foods, que possui atualmente cerca de 500 lojas.

Ifshin diz que o que está impulsionando a mudança da Amazon para o varejo é “uma série de custos que ninguém previu que não apenas removeram a vantagem de não ter lojas, mas mostraram que ter lojas é a maneira mais econômica de fazer as duas coisas mais importantes em varejo: conquiste o cliente e obtenha as mercadorias para ele.”

Ele observa que varejistas como o vendedor on-line de produtos domésticos Wayfair gasta mais de 15% da receita na aquisição de clientes. O problema de devolução de produtos é outro custo enorme.

Os recursos já sofisticados de pesquisa de consumidor e produtos da Amazon tornam-se mais robustos com o tempo todo, deixando os varejistas tradicionais que não estão investindo em conhecer seus clientes para trás. Para varejistas e marcas, avançar nessa disputa requer diferenciar clientes e produtos, testando modelos incansavelmente para, em seguida, apostar nas vantagens competitivas específicas de cada negócio.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).