Fundadora da Nykaa deve se tornar bilionária e a segunda mulher self-made mais rica da Índia

The India Today Group/GettyImages
The India Today Group/GettyImages

Varejista online de produtos de beleza fundada por Falguni Nayar esperar registrar crescimento de 40% na receita

Enquanto a pandemia Covid-19 sufocava empresas, de companhias aéreas a empresas de turismo, a Nykaa, varejista online de produtos de beleza, seguiu se saindo bem. Uma multidão de compradores, presos em casa devido às restrições impostas pela pandemia, seguiram acessando suas prateleiras virtuais, comprando de tudo, de skincare a batons. Graças ao aumento nas vendas, a Nykaa espera registrar um crescimento de 40% na receita no ano que termina em março de 2021, ante US$ 247 milhões em março de 2020.

A varejista de cosméticos, que conta com a empresa de gestão de ativos de Boston Fidelity Management e a firma de private equity TPG Growth Capital entre seus investidores, está se preparando para um IPO neste ano, que deve avaliar a empresa em cerca de US$ 3 bilhões. Mas, mesmo antes que isso aconteça, a última rodada de financiamento da Nykaa, que deve ser encerrada no final deste mês, provavelmente colocará sua fundadora, Falguni Nayar, na posição de bilionária, tornando-a a segunda mulher mais rica da Índia depois da bilionária Kiran Mazumdar Shaw.

Falguni, que possui pouco mais de 50% em participações na varejista de beleza, não quis comentar sobre seu patrimônio líquido nem sobre os aportes.

O mercado indiano de beleza e cuidados pessoais deve crescer para US$ 23 bilhões em 2023, de US$ 13 bilhões em 2018, de acordo com a consultoria Technopak, que afirma que o setor será impulsionado pelo aumento da renda dos jovens indianos.
“A Nykaa se tornou sinônimo de produtos de beleza”, diz Saloni Nangia, presidente da Technopak. “A empresa identificou a tendência certa porque nunca tivemos um segmento de beleza consolidado na Índia antes. Sempre houve muitos formatos, mas eram todos de pequena escala.”

Falguni começou a Nykaa aos 49 anos, depois de deixar seu emprego como head do braço de investment banking do Kotak Mahindra em 2012. Com US$ 2 milhões como capital das economias da família, ela pensou que era hora de começar uma versão indiana da Sephora, a cadeia internacional de cosméticos.

Começando como um varejista on-ine, a Nykaa – nome derivado da palavra em sânscrito “nayaka”, que significa alguém que está no centro das atenções – mais tarde se expandiu para lojas físicas. A empresa agora tem 70 lojas em 34 cidades e seu site e aplicativo atraem 60 milhões de visitantes mensais.

Nykaa revolucionou o mercado de beleza da Índia ao vender marcas de luxo como Clinique e Bobbi Brown online. Ao adquirir produtos diretamente de distribuidores autorizados, a Nykaa construiu uma reputação de qualidade e autenticidade em um mercado repleto de cosméticos piratas. O modelo online permitiu a Falguni criar um corredor infinito de produtos de todo o mundo. Nykaa oferece atualmente mais de 700 mil produtos.

Falguni evitou dar descontos e usou estratégias de marketing, como posts em blogs de beleza de influenciadores sobre novos produtos e tendências. Percebendo que os clientes gostam de tocar, sentir e experimentar os cosméticos antes de comprá-los, ela deu uma brecha real ao virtual, abrindo a primeira loja física da Nykaa, em Delhi, em 2015.

A empresa, que se tornou um unicórnio no ano passado, até agora levantou um total de US$ 70 milhões em financiamentos primários de grandes investidores, incluindo o bilionário de bens de consumo Harsh Mariwala e o bilionário de commodities Harindarpal “Harry” Banga.

“Foi notável ver Falguni fazer uma transição perfeita de um dos principais bancos de investimentos da Índia para um empreendimento fenomenal no segmento de beleza, moda e tecnologia”, disse Angad Banga, filho de Harry Banga, cujo family-office em Hong Kong detém uma participação de 10% na Nykaa. (Angad trabalhava na KKR com o marido de Falguni, Sanjay Nayar, que dirige a unidade da Índia na empresa de private equity americana.)

A jornada empreendedora de Falguni, porém, está longe de ser tranquila. Ela enfrentou uma grande curva de aprendizado ao navegar pelos mundos de beleza, tecnologia e varejo. Três diretores de tecnologia pediram demissão nos primeiros quatro anos. Apesar de ser uma veterana do setor bancário, a arrecadação de fundos foi um desafio no início – muito longe da circunstância atual em que ela é cortejada por bancos de investimento que querem listar seu negócio na bolsa.

Hoje, ela também enfrenta uma série de concorrentes, como a cadeia de lojas de departamentos Shoppers Stop, controlada pelo bilionário Chandru Raheja, e a Amazon, que construiu uma presença online formidável na Índia. Mas Falguni, cuja família sempre apoiou seu empreendimento de beleza, tem seus dois gêmeos de 30 anos trabalhando com ela. Son Anchit dirige o negócio online e sua filha Adwaita, que era a diretora de operações da Nykaa, é CEO de sua varejista de roupas em rápida ascensão, Nykaa Fashion.

Para adicionar mais buzz ao negócio, a Nykaa formou uma joint-venture com a atriz de Bollywood Katrina Kaif chamada Kay Beauty, em 2019, para oferecer uma nova linha de cosméticos. Nangia, da Technopak, prevê que o florescente negócio de beleza da Índia não irá desaparecer tão cedo.

“A aceleração digital proporcionada pela Covid-19 veio para ficar”, diz ela. “Todos os produtos de beleza e empresas de bem-estar serão beneficiados.” Falguni terá de se acostumar a estar sob os holofotes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).