Yellen pressiona por imposto mínimo corporativo para custear infraestrutura

Jonathan Ernst/Reuters
Jonathan Ernst/Reuters

O plano de Yellen depende da negociação de uma taxa de imposto corporativa mínima global de 21% com as principais economias

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, apresentou hoje (7) detalhes de um plano de elevação de impostos corporativos. A ação está vinculada à proposta de investimento em infraestrutura do presidente Joe Biden, que tem como objetivo de arrecadar US$ 2,5 trilhões em 15 anos em novas receitas, impedindo a evasão fiscal.

O plano de Yellen depende da negociação de uma taxa de imposto corporativa mínima global de 21% com as principais economias, além de um imposto mínimo à parte de 15% sobre a receita “contabilizada” destinada às maiores companhias norte-americanas. Dezenas de grandes empresas dos EUA usam estratégias tributárias complexas para reduzir suas obrigações fiscais federais a zero.

LEIA MAIS: Yellen defende alíquota mínima global para impostos corporativos

Yellen afirmou que as promessas de aumento do investimento dos EUA por empresas diante das reduções de tributos aplicadas pelos republicanos em 2017 não se concretizaram. Em vez disso, os cortes da era Trump levaram a uma queda expressiva na receita tributária como parcela da produção econômica, com incentivos contínuos para transferir os lucros para o exterior, disse ela a repórteres em uma teleconferência.

“Nossas receitas fiscais já estão no nível mais baixo em uma geração. E à medida que continuarem caindo, teremos menos dinheiro para investir em estradas, pontes, banda larga e pesquisa e desenvolvimento.”

O plano do Tesouro também eliminará uma série de incentivos fiscais para a indústria de combustíveis fósseis, uma medida que aumentará as receitas em US$ 35 bilhões em dez anos. Eles serão substituídos por novos incentivos fiscais para energia limpa, inclusive para veículos elétricos e aparelhos elétricos eficientes.

O plano do Tesouro modificará a versão de 2017 de um imposto mínimo global de 10,5%, aumentando a alíquota para 21% e aplicando-a país a país. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).