Global 2000: os maiores bancos de capital aberto do mundo em 2021

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

O setor bancário cresceu mais neste ano, com instituições financeiras dos EUA e da China dominando o mercado

Os grandes bancos dos EUA e da China cresceram durante a pandemia e dominam o topo da lista das maiores empresas listadas em Bolsas do mundo. Metade das 10 maiores empresas da lista Forbes Global 2000 e oito das 20 maiores empresas são bancos com sede nos Estados Unidos ou na China.

Nos últimos meses, a atividade bancária nas duas maiores economias do mundo tem sido forte, à medida que os EUA e a China se recuperaram da pandemia. A economia chinesa cresceu 18,3% no primeiro trimestre de 2021, enquanto os EUA observam a taxa de vacinação subir e o governo federal liberar enormes quantidades de estímulo fiscal.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Com US$ 4,9 trilhões em ativos, o Banco Industrial e Comercial da China continua sendo a maior empresa de capital aberto do planeta. O JPMorgan Chase, o maior banco norte-americano, é agora a segunda maior empresa listada em Bolsa do mundo. O China Construction Bank, o Bank of America e o Agricultural Bank of China também estão entre as 10 maiores empresas de capital aberto do mundo.

Quando a pandemia começou no ano passado, não estava claro como esses grandes bancos globais navegariam pela crise. Com as medidas sanitárias fechando grandes setores da economia global, os bancos e o sistema financeiro enfrentaram seu teste mais sério desde a crise financeira de 2008.

“A última vez em que os bancos estiveram sob muita pressão foi durante a crise financeira e o sistema financeiro meio que desmoronou”, disse Eric Compton, analista senior de ações da Morningstar. “Agora que finalmente estamos saindo da pandemia, a história para os bancos realmente é que as perdas de crédito não foram tão ruins e o apoio do governo foi suficiente. O sistema financeiro perseverou no que, de outra forma, poderia ter sido um ambiente bastante difícil.”

Os bancos não apenas resistiram à tempestade, mas também desempenharam um papel importante na recuperação econômica. Nos EUA, por exemplo, os bancos distribuíram programas de empréstimos concedidos pelo governo federal às pequenas empresas. Seus negócios comerciais e grupos consultivos de negociação alimentaram os ganhos, enquanto as reservas aumentaram.

“Faz quase um ano que os bancos, muitos dos quais tiveram um desempenho ruim na última crise, superaram as expectativas de desempenho na crise atual”, acrescenta Compton. “Eles foram os cães da última crise e agora brilharam nesta.”

Fora dos EUA e da China, o francês BNP Paribas foi o maior banco europeu e ficou em 30º lugar na lista Global 2000, com 12 vagas em relação ao ano de 2020. Outros países com bancos no top 100 incluem o RBC, do Canadá, e o HSBC, do Reino Unido. O maior banco russo, o Sberbank Russia, deu um salto da posição 402 no ano passado para a 51 em 2021. O Mitsubishi Financial Group foi o maior banco japonês na posição 52 da lista. No total, existem 289 bancos na lista deste ano.

A Forbes compila o Global 2000 usando dados da FactSet Research para selecionar as maiores empresas listadas em quatro métricas: vendas, lucros, ativos e valor de mercado. Nosso cálculo do valor de mercado é baseado nos preços de fechamento de 16 de abril de 2021 e inclui todas as ações em circulação.

James Shanahan, analista senior de pesquisa de ações da Edward Jones, observou que a gestão de fortunas e os mercados de capitais foram as linhas de negócios mais fortes para os grandes bancos. Ele lembrou que, no segundo trimestre de 2020, os bancos se beneficiaram de uma significativa dívida corporativa e da emissão de ações, o que gerou muitas receitas de tarifas. Os grandes bancos com negócios voltados à cobrança de taxas de alta performance foram capazes de administrar a desaceleração do crescimento e a redução dos saldos de empréstimos e a pressão geral sobre as margens líquidas de juros.

“Os bancos que se saíram particularmente bem durante a pandemia foram o JPMorgan, o Morgan Stanley e o Bank of America. Bancos como esses tinham franquias significativas no mercado de capitais e se beneficiaram de fortes negociações de títulos institucionais e atividades de investment banking , incluindo subscrição de dívidas, ações e títulos”, disse Shanahan.

O CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, recentemente deu a volta por cima depois que o preço das ações do banco quase dobrou para US$ 160, desde que atingiu a baixa de US$ 83,50 um ano atrás, no ponto mais baixo da liquidação da Covid-19.

“Poucos dias depois de perceber que a Covid-19 era uma pandemia global que virtualmente fecharia grandes partes das economias do mundo, o governo dos EUA agiu com velocidade sem precedentes”, escreveu Dimon em sua carta anual aos acionistas. “Felizmente, os bancos foram parte da solução – ao contrário da Grande Recessão. E, ao contrário da Grande Recessão, a economia dos EUA estava realmente em boa forma ao entrar na recessão da Covid-19.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).