IBC-Br tem queda em março, mas termina 1º trimestre com alta de 2,3%

REUTERS/Amanda Perobelli
REUTERS/Amanda Perobelli

Na comparação com março de 2020, o índice apresentou avanço de 6,26%

A economia brasileira contraiu em março pela primeira vez em quase um ano diante da intensificação da pandemia e das medidas de isolamento, mas ainda assim terminou o primeiro trimestre com crescimento, graças ao desempenho positivo no início de 2021.

O IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central), considerado sinalizador do PIB (Produto Interno Bruto), teve queda de 1,59% em março na comparação com o mês anterior, de acordo com dado dessazonalizado divulgado pelo BC hoje (13).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O resultado do mês em que o país se tornou o epicentro da pandemia de coronavírus interrompe 10 meses de avanços do índice e é o mais fraco desde a queda de 9,8% em abril de 2020, ápice das medidas de contenção da Covid-19 no ano passado.

O dado de março, entretanto, foi melhor que a expectativa em pesquisa da Reuters de queda de 3,75%. Com os resultados positivos de janeiro e fevereiro, o IBC-Br encerrou o primeiro trimestre com crescimento de 2,3% sobre os últimos três meses de 2020, após ter expandindo 3,17% no quarto trimestre do ano passado

A crise sanitária no Brasil, com sistemas de saúde muito sobrecarregados, agravou-se no final de fevereiro e levou várias localidades a intensificarem as medidas de isolamento, voltando a fechar comércios não essenciais e restringindo ainda mais a mobilidade.

Na comparação com março de 2020, o IBC-Br registrou avanço de 6,26% e, no acumulado em 12 meses, teve perda de 3,37%, segundo números observados.

Com a lentidão no ritmo de vacinação contra a Covid-19, em março, as perdas foram disseminadas. A indústria brasileira registrou queda inesperada de 0,7% da produção em fevereiro e interrompeu nove meses de resultados positivos. As vendas varejistas recuaram 0,6% e o setor voltou a ficar abaixo do nível pré-pandemia. O mesmo aconteceu com os serviços, depois de queda de 4,0% no volume no mês.

A pesquisa Focus mais recente do BC com uma centena de economistas aponta que a projeção de expansão para este ano é de 3,21%, indo a 2,33% em 2022. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).