Lucro da Yduqs recua 74% com piora no resultado financeiro

A Yduqs reportou uma queda de 74% no lucro líquido do primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2020, para R$ 43,2 milhões, afetado pela piora do resultado financeiro e fatores relacionados a aquisições.

A base de alunos, porém, cresceu 13,3%, assim como a receita líquida subiu 17,2% nos primeiros três meses do ano, período que evidencia, na visão da companhia, que ela conseguiu superar a fase mais aguda da crise provocada pela pandemia de Covid-19.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Nesse contexto, a Yduqs estimou receita líquida total entre R$ 2,205 bilhões e R$ 2,295 bilhões para o primeiro semestre do ano, sinalizando expectativa de alguma melhora no segundo trimestre ante o primeiro, quando a receita somou R$ 1,082 bilhão.

O resultado de janeiro a março, segundo a Yduqs, mostra melhoria significativa no desempenho da empresa desde a eclosão da pandemia e já está praticamente livre dos efeitos não-recorrentes do ano passado – da ordem de R$ 450 milhões de reais.

“O impacto neste trimestre foi de aproximadamente R$ 13 milhões de reais. E muito importante, nossa PDD (Provisão de Devedores Duvidosos) está estável, em 11%, incluindo descontos sobre a receita líquida. O pior, de fato, já passou”, afirmou a companhia em comunicado.

Ainda assim, a Yduqs, uma das maiores organizações privadas no setor de ensino superior, registrou Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 313,1 milhões, queda de 7,3% ano a ano, com margem caindo a 28,9%.

Para o Ebitda ajustado na primeira metade do ano, o total estimado está na faixa de R$ 630 milhões e a R$ 720 milhões.

No primeiro trimestre, o resultado financeiro ficou negativo em R$ 105,5 milhões, ante resultado negativo de R$ 70,4 milhões um ano antes, afetado, entre outras itens, por encargos financeiros em função das captações de dívidas para financiar as recentes aquisições e reforçar caixa.

A empresa também relatou aumento de R$ 61,3 milhões de depreciação e amortização, sendo parte desse valor referente a incorporação das recentes aquisições e de acréscimo de depreciação na Estácio.

No final de março, a Yduqs tinha uma base total de 716 mil alunos, sendo 286,6 mil no ensino presencial (-6,3% ano a ano) e 417,2 mil estudantes no ensino digital (+29,5% ano a ano). No chamando Premium, que inclui medicina, havia 12,7 mil (+176,9%).

“As aquisições foram decisivas para a preservação da base de alunos em meio à pandemia e adicionam muito valor”, ressaltou no material de balanço divulgado na noite de ontem (12). (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).