Setor de serviços recua 4% em março, maior queda em um ano, mostra IBGE

REUTERS/Lucas Landau
REUTERS/Lucas Landau

Ainda assim, o 1° trimestre terminou com alta de 2,8% no volume de serviços sobre os três meses anteriores

O volume de serviços no Brasil voltou a contrair em março e no ritmo mais forte em quase um ano, após dois meses de ganhos, e voltou a ficar abaixo do patamar pré-pandemia pressionado pelo recrudescimento da Covid-19 e por medidas mais rigorosas de isolamento no país.

Enquanto o Brasil se torna epicentro mundial da pandemia, o volume de serviços teve em março queda de 4,0% na comparação com o resultado de fevereiro, leitura foi mais fraca desde a queda de 11,9% vista em abril de 2020.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O resultado foi pior que expectativa em pesquisa da Reuters de recuo de 3,2% e, com o sinal negativo no mês, o setor volta a ficar abaixo do nível pré-pandemia depois de tê-lo superado em fevereiro pela primeira vez.

“Com esse revés, o setor volta a ficar abaixo do nível pré-pandemia em 2,8%”, explicou o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo. “Novamente o setor foi afetado por decretos que limitaram a atuação de serviços como hotéis, restaurantes, salões, parques de diversão, alojamento, bares e afins.”

Ainda assim, o primeiro trimestre terminou com alta de 2,8% no volume de serviços sobre os três meses anteriores.

Na comparação com março de 2020, houve alta de 4,5%, contra expectativa de avanço de 3,4%, diante da base fraca vista em março e abril do ano passado, no ápice dos impactos da pandemia na atividade econômica do Brasil. O resultado positivo acontece após doze taxas negativas seguidas nesta comparação.

O mês de março de 2021 foi marcado por picos no número de mortes no Brasil por conta da Covid-19, bem como novos fechamentos de negócios em várias localidades. Altamente dependente do contato físico, o setor ainda sente a pressão do desemprego elevado e da inflação.

Entre as cinco atividades pesquisadas, três tiveram queda no mês. O destaque ficou para o recuo de 27% em serviços prestados às famílias, a taxa negativa mais intensa desde abril de 2020 (-46,5%). Também tiveram perdas transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-1,9%) e de profissionais, administrativos e complementares (-1,4%).

“(As medidas mais restritivas para contenção da pandemia) foram menos impactantes do que em março de 2020, mas suficientes para fazer o setor de serviço recuar e voltar ao patamar pré-pandemia”, explicou Lobo. “Março teve perdas importantes, assim como no começo da pandemia em 2020.”

Por outro lado, apresentaram ganhos em março os setores de informação e comunicação (1,9%) e de outros serviços (3,7%).

O índice de atividades turísticas, por sua vez, registrou retração de 22,0% em março frente ao mês anterior, maior queda desde abril de 2020 (-54,5%). O segmento, que vinha mostrando recuperação entre maio de 2020 e fevereiro de 2021, precisa agora crescer 78,7% para retornar ao patamar de fevereiro do ano passado. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).