Bank of America eleva Brasil para 'overweight' em portfólio da América Latina

SOPA Images/Getty Images
SOPA Images/Getty Images

Projeção do Bank of America leva em conta melhores perspectivas de crescimento e ruído político na América Latina

Estrategistas do Bank of America elevaram para “overweight” a exposição a ações brasileiras em seu portfólio para América Latina, de acordo com relatório divulgado hoje (11), com rebaixou o Chile para “underweight”.

“Tendo em vista as melhores perspectivas de crescimento e ruído político em outros países da região, estamos movendo o Brasil para overweight (de marketweight)”, afirmaram David Beker e equipe.

LEIA TAMBÉM: Moeda digital do BC seria inovação histórica, diz presidente do BC britânico

“A maior volatilidade nos mercados globais e o sentimento de euforia continuam sendo os principais riscos”, ponderaram.

Eles afirmaram que o seu foco é a reabertura no Brasil por meio de nomes de alta qualidade. “Gostamos do varejo tradicional, distribuição de combustível, construção e pagamentos.”

O BofA acrescentou Natura&Co novamente em seu portfólio da América Latina (já estava no portfólio Brasil), bem como aumentou a exposição a grandes bancos já na carteira – Itaú Unibanco, Bradesco e também Banco do Brasil no portfólio Brasil.

Eles apostam na recuperação macro, dinâmica de lucros, valuation barato e desempenho inferior desde o início da pandemia. “Embora as histórias de reabertura e ações dos bancos tenham se recuperado amplamente no mês passado, elas continuam atrasadas desde o início da pandemia.”

A equipe do banco norte-americano também disse que continua mais cautelosa em setores de maior risco, como serviços, companhias aéreas e shopping centers. Por fim, adicionou Energisa, buscando exposição à recuperação econômica do Brasil, enquanto BRF saiu após a alta recente.

VEJA MAIS: Petrobras assina contrato de US$ 2,3 bilhões para oitava unidade do campo de Búzios

Também afirmaram que continuam gostando de investimentos relacionadas à inflação conforme o mundo se reabre (commodities, Hypera, Carrefour).

Beker e equipe afirmaram manter a alocação em Vale citando o valuations, e que estão expostos ao petróleo por meio da Ecopetrol, bem como adicionaram Petrobras no Brasil à medida que o ruído político diminui. Também continuam com Grupo México, pois gostam da exposição aos preços do cobre.

Eles removeram a exposição à celulose devido à falta de catalisadores de curto prazo (excluindo Klabin no Brasil e a CMPC no Chile.

Na região, o corte do Chile a “underweight” (ante “overweight”) ocorre após os resultados das eleições constitucionais e locais naquele país. México manteve a recomendação “overweight”, assim como Colômbia continuou com marketweight. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).