Minério de ferro sobe 5,9% com demanda da China e riscos de oferta

Reuters
Reuters

O contrato de minério de ferro em Dalian encerrou com o maior valor desde 19 de maio

Os contratos futuros do minério de ferro saltaram hoje (11) para o seu nível mais alto em mais de três semanas, uma vez que uma recuperação nos estoques de aço na China sugeriu que a demanda pela matéria-prima permaneceu forte.

O contrato mais negociado na Bolsa de Commodities de Dalian encerrou as negociações com alta de 5,9%, para 1.247 iuanes (US$ 195,19) por tonelada, após atingir seu maior valor desde 19 de maio, de 1.248 iuanes, tendo o segundo aumento semanal consecutivo.

LEIA MAIS: Empresas brasileiras foram impactadas por montanha-russa no minério de ferro em maio

“Os futuros do minério de ferro ampliaram os ganhos, já que o sentimento permaneceu sustentado por sinais de forte demanda na China”, disse o estrategista sênior de commodities da ANZ Daniel Hynes.

Os estoques de 184 siderúrgicas chinesas cobertas pela pesquisa semanal da consultoria Mysteel estavam em 6,04 milhões de toneladas anteontem (9), alta de 2,7% em relação à semana passada, em parte devido ao aumento da produção, disse a empresa.

As preocupações com a oferta global apertada de minério de ferro também sustentaram os preços, com cargas marítimas e estoques portuários na China sendo negociadas no maior nível desde 19 de maio, acima de US$ 200 a tonelada. Os estoques de minério de ferro da China atingiram uma mínima de quatro meses na semana passada, enquanto as chegadas de embarques semanais caíram. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).