Setor de serviços no Brasil cresce 0,7% em abril, diz IBGE

REUTERS/Amanda Perobelli
REUTERS/Amanda Perobelli

O resultado ficou acima da expectativa de avanço de 0,6%, mas recuperou apenas parte da queda de 3,1% em março

O setor de serviços do Brasil cresceu mais do que o esperado em abril, mas iniciou o segundo trimestre ainda abaixo do patamar pré-pandemia diante da intensificação das medidas de contenção ao coronavírus no país.

O volume de serviços teve em abril alta de 0,7%, em um momento de piora da situação sanitária no Brasil, de acordo com os dados divulgados hoje (11) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O resultado ficou acima da expectativa em pesquisa da Reuters de avanço de 0,6%, mas recuperou apenas parte da queda de 3,1% vista em março.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“O setor teve crescimento mais moderado e está 1,5% abaixo do período pré-pandemia. Só em fevereiro ficou acima”, disse o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, explicando que serviços precisam crescer 1,5% em maio para voltar ao patamar positivo pré-pandemia. “O setor vem sendo afetado por uma nova onda de medidas de restrição impostas por cidades e Estados que afeta o consumo e a demanda presencial.”

Em relação a abril do ano passado, o volume de serviços aumentou 19,8% e também ficou acima da expectativa, de crescimento de 18,2%, registrando o ganho mais forte da série histórica, iniciada em janeiro de 2012. O resultado, no entanto, deve-se principalmente à base baixa de comparação.

Com medidas de restrição mais rigorosas no país diante de novo pico da pandemia no Brasil, o setor de serviços, altamente dependente da presença física, enfrenta ainda o desemprego elevado.

Entre as atividades pesquisadas em abril, apenas duas tiveram resultados positivos. Os serviços de informação e comunicação avançaram 2,5% no mês, impulsionados pelos segmentos de tecnologia da informação e telecomunicações.

Já o volume de serviços prestados às famílias aumentou 9,3% em abril, liderado principalmente pelos restaurantes. Mas Lobo ressaltou que esse resultado deve ser relativizado, uma vez que em março os serviços prestados à família despencaram 28%. “Isso fez o consumo reduzir significativamente naquele mês, então em abril houve um crescimento maior por conta da base de comparação muito baixa”, explicou.

Entre as outras atividades, os serviços profissionais, administrativos e complementares recuaram 0,6%; enquanto outros serviços tiveram queda de 0,9%; e transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio ficou estável.

Já o índice de atividades turísticas recuou 0,6% em abril frente ao mês anterior, depois de despencar 23,1% em março. O segmento de turismo ainda precisa crescer 81,9% para retornar ao patamar de fevereiro do ano passado.

“Há efeitos negativos para empresas de transporte aéreo, turismo, operação de aeroportos, que ainda têm perdas importantes”, completou Lobo. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).