Conheça a empresa de software que declarou guerra à Amazon

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

A Elastic fez inúmeras tentativas para interromper a adoção de seu software pela Amazon, mas diz que tomou a recente medida para impedir a Amazon de vender seu software sem colaborar com a empresa

Em janeiro, a empresa de software de capital aberto Elastic deparou-se com uma séria ameaça existencial – de si mesma. Após bloquear a divisão de computação em nuvem da Amazon de vender sua própria versão do software gratuito da Elastic, a empresa acusou a gigante de tecnologia de “comportamento eticamente desafiado.”

A Elastic fornece um software extremamente popular utilizado por empresas como Walmart e Audi que, entre outras coisas, aciona caixas de pesquisa em sites de companhias. A decisão da Amazon Web Service (AWS) de impedir que os usuários comprem software desenvolvido pela Elastic – mudando para uma licença de software restritiva – encerrou uma disputa de anos entre as duas empresas que começou em 2015, quando a unidade de nuvem da Amazon lançou seu próprio produto concorrente baseado em Código do Elasticsearch, e o nomeou Amazon Elasticsearch Services – causando confusão sobre quem criou o software e desviando os clientes do Elastic. Em um tuíte, o CTO da Amazon alegou falsamente que tinha uma parceria com a Elastic e, em breve, a Amazon estaria ganhando mais dinheiro do que a Elastic com as ferramentas.

Siga todas as novidades do Forbes Tech no Telegram

A Elastic fez inúmeras tentativas para interromper a adoção de seu software pela Amazon – incluindo um processo em andamento por violação de marca registrada contra a multinacional em 2017 -, mas diz que tomou a recente medida drástica para impedir a Amazon de vender seu software sem colaborar com a empresa. “Se em algum momento você enfrentar este nível de comportamento, então é como um valentão no pátio da escola”, diz o CEO da Elastic, Shay Banon. “E esta é a nossa forma de enfrentá-lo”, completa.

Para quem está fora do Elastic, a Amazon tem o direito de vender sua própria versão do software. Afinal, o software da Elastic é construído a partir de um projeto de código aberto, que permite que qualquer pessoa altere e contribua com novos códigos (a Elastic ganha dinheiro vendendo serviços complementares aos seus usuários, como recursos de aprendizado de máquina que podem detectar anomalias em bancos de dados). Enquanto os criadores do projeto trabalham na Elastic, a tecnologia de código aberto floresce quando colaboradores em outros lugares – mesmo em empresas concorrentes – participam do desenvolvimento de seus recursos e ferramentas. O outro lado: qualquer um pode vender um produto construído a partir dos resultados, ou levá-lo em uma nova direção que seus criadores não pretendiam.

O que antes era uma escolha óbvia – listar seu software por meio de uma licença aberta nos serviços dos líderes de nuvem, que incluem mercados para as empresas misturarem e combinarem ferramentas – agora é um assunto para discussões mais longas em empresas de código aberto emergentes. O capitalista de risco Jerry Chen, sócio da Greylock, que investiu em várias empresas de software de código aberto, incluindo a startup de monitoramento de dados Chronosphere, diz que agora está vendo mais startups considerarem suas opções de licenciamento em comparação a alguns anos atrás. “Só recentemente, um monte de startups exploraram novas licenças”, diz Chen.

Desde 2018, pelo menos quatro outras empresas multibilionárias – Redis Labs, Cockroach Labs, Confluent e a companhia de capital aberto MongoDB – mudaram suas licenças de software para impedir que a Amazon revendesse seu software para a enorme base de clientes da AWS. Representando uma capitalização de mercado combinada de cerca de US$ 42 bilhões, com a inclusão da Elastic, essas empresas parecem estar impulsionando modelos de negócios construídos em torno de licenciamento mais restritivo – e enviando um sinal para startups emergentes de código aberto que buscam competir com a divisão de nuvem da Amazon.

“A empresa de núcleo aberto ainda é a que está investindo a receita gerada em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) para fortalecer o produto, e a Amazon está simplesmente explorando isso”, diz Spencer Kimball, CEO da Cockroach Labs, que mudou sua licença em 2018 para impedir que a Amazon adotasse e revendesse seu software de gerenciamento de banco de dados logo depois que o MongoDB fez uma mudança semelhante. “Alguns tecnólogos descrevem a abordagem da Amazon para projetos de código aberto como “mineração a céu aberto”, acrescenta Kimball.

A Amazon não quis comentar.

Curiosamente, os líderes de código aberto são rápidos em subestimar a importância de um punhado de empresas mudando para licenças restritivas. Não é um “reflexo do que vemos em todo o ecossistema”, diz Greg Stein, cofundador da Apache Software Foundation, uma organização sem fins lucrativos que supervisiona mais de 300 projetos de código aberto. No entanto, os dados para quantificar as empresas que adotam licenças restritivas são difíceis de obter, fragmentados por licenças múltiplas com restrições variadas e inúmeros projetos de código aberto.

A Amazon não é a única empresa que gera receita com sua comunidade de código aberto. O Google Cloud Platform e o Microsoft Azure têm modelos de negócios semelhantes, e as licenças de código aberto dão aos principais participantes da nuvem o direito de vender suas próprias versões. (A Microsoft juntou esforços para superar uma reputação que roubou da comunidade de código aberto anos atrás.) Mas várias das empresas que se opõem às práticas da Amazon alegam que a companhia está se beneficiando dos esforços coletivos da comunidade de código aberto, sem fazer contribuições significativas por conta própria. A Amazon afirmou, por meio de um porta-voz, que “a AWS contribui poderosamente para projetos de código aberto”.

Em outubro, um Subcomitê Antitruste do Judiciário da Câmara citou o uso do Elasticsearch pela Amazon como um exemplo prejudicial à inovação na comunidade de código aberto. O relatório afirmou que “a conduta da Amazon já levou vários projetos de código aberto a se tornarem mais fechados, um movimento impulsionado por uma necessidade de proteção contra a apropriação indevida da Amazon”. (A Amazon respondeu que, quando a AWS ofereceu um software como o Elasticsearch, seu trabalho serviu para “adicionar, não suplantar, o conjunto de recursos fornecidos pelos projetos de código aberto.”)

Uma resposta à influência da Amazon: se você não pode vencê-los, junte-se a eles. Em dezembro, a Grafana Labs, empresa de análise de código aberto e visualização de dados, fez parceria com a AWS para vender seus serviços por meio da AWS, um acordo que incluía um contingente de compartilhamento de receita. “Acho que é melhor para a Amazon ter parcerias, seja Elastic, Grafana Labs ou qualquer outra, e acho que a Amazon começou a perceber isso”, diz Raj Dutt, CEO da Grafana. “Espero que o que fizemos com a Amazon seja uma nova maneira de os fornecedores de código aberto trabalharem com os fornecedores de nuvem.”

Para a Elastic, o desafio aberto tem um custo imediato. Depois de já oferecer sua própria versão do software Elastic construído em torno do projeto Elasticsearch, a AWS anunciou em janeiro que lançaria e daria suporte à sua própria versão “bifurcada” do projeto de código aberto, criando uma comunidade rival centrada em torno dos criadores do projeto da Elastic. “A Elastic sabe que o que estão fazendo é suspeito”, escreveram quatro engenheiros da AWS em uma postagem de blog que vários especialistas do setor disseram à Forbes ser uma mensagem incomumente contundente para a empresa. “É também por isso que eles sentiram a necessidade de escrever um blog adicional tempestuoso: para tentar explicar suas ações como ‘AWS nos obrigou a fazer isso’. A maioria das pessoas não se deixa enganar. Não os obrigamos a fazer nada ”.

Talvez surpreendentemente para a Elastic, mas menos para aqueles que estão cientes da influência descomunal da Amazon no ecossistema da nuvem, alguns líderes de código aberto se aliaram à gigante de tecnologia na disputa. Para eles, a Elastic renegou seu compromisso de permanecer com o código aberto. Eles também apontaram para o preço crescente das ações da Elastic, que mais que dobrou no ano passado, como evidência de que a empresa não estava sentindo pressão financeira com a abordagem da Amazon. A Elastic gerou uma receita de US$ 159 milhões no trimestre fiscal encerrado em 31 de janeiro, um aumento de 39% ano a ano. “O que irrita as pessoas, como no caso da Elastic, é onde elas construíram sua comunidade a partir de um pedaço de software, e então eles trocam e mudam o licenciamento”, diz Chris Aniszczyk, CTO da Cloud Native Computing Foundation. “Isso é basicamente como dizer à sua comunidade para ir se ferrar.”

Ali Ghodsi, CEO da Databricks, plataforma de dados de código aberto avaliada em US$ 28 bilhões, na qual a Amazon investiu, junto com as divisões de Google, Microsoft e Salesforce, tem pouca simpatia pela Elastic e outras empresas que adotaram licenças restritivas. “Se os fornecedores de código aberto fossem realmente bons em hospedar e gerenciar seu software na nuvem, não seria um problema”, diz. “O problema é que eles não são.”

Tudo isso deixa Banon, CEO da Elastic, desapontado. Agora bilionário, devido ao desempenho de suas ações nos últimos meses – com um patrimônio líquido de US$ 1,3 bilhão -, Banon diz que se preocupa apenas em atender às necessidades de seus clientes. “Temos sido francos e honestos com tudo o que dissemos”, diz ele. “Mas você chega a um ponto em que uma empresa simplesmente abusa tanto de sua marca, de seu produto, que você precisa ir e impor um limite”.

Se a sorte de Banon e de sua empresa nos mercados mudar devido à sua posição pública, seu martírio corporativo pode ter pelo menos plantado uma semente para outras startups. No início da semana passada, uma empresa de código aberto sediada em Berlim com um ano de idade chamada Lightmeter, que fornece software para melhorar a entrega de e-mail, anunciou que estava registrando seu software para evitar deturpação de futuras ramificações de seu código. Sem citar nomes, a Lightmeter explicou a mudança devido à “longa história de abuso e uso indevido de software de código aberto”. O anúncio tinha um link para a postagem do blog da Elastic declarando guerra à AWS.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).