Google e Facebook ofereceram milhões para veículos de notícias. É suficiente?

SOPA Images/Getty Images
SOPA Images/Getty Images

Nos últimos anos, veículos de notícias receberam apoio do Google e Facebook para verificação de fatos, reportagens e treinamentos

Enfrentando pressões regulatórias e políticas, Facebook e Google direcionaram nos últimos anos um valor combinado de US$ 600 milhões em apoio a veículos de notícias globais, muitos deles negócios locais ou regionais naufragando na era digital.

Milhares de veículos de notícias receberam ajuda financeira e de outros tipos para tudo, da verificação de fatos à reportagem e ao treinamento, de acordo com os anúncios das duas empresas. Alguns editores expressaram gratidão por contribuições que consideraram como essenciais, já que a renda com propaganda despencou.

LEIA TAMBÉM: Microsoft planeja smart TVs conectadas a serviço de games Xbox

Mas vários analistas de mídia e executivos do setor de notícias disseram à “Reuters” que o financiamento – que deve durar três anos – não chega nem perto de compensar as dezenas de bilhões de dólares que os editores perdem enquanto as empresas de tecnologia engolem o mercado de propaganda digital. Google e Facebook responderam por 54% da renda de propaganda digital dos Estados Unidos em 2020, de acordo com a empresa de pesquisa de mercado eMarketer.

Alguns críticos rechaçaram os projetos, inclusive as contribuições de US$ 300 milhões de cada empresa, por vê-los como maneiras de inviabilizar queixas de editores e criar boa publicidade. As duas empresas de tecnologia enfrentam batalhas de indenização por conteúdo noticioso em todo o mundo, assim como processos antitruste de agências reguladoras e de editores.

Esta “benevolência ocasional” é “uma gota no oceano”, disse Maribel Perez Wadsworth, editora do USA Today e presidente da USA Today Network, que participa de um programa de verificação de fatos patrocinado pelo Facebook. “Os editores de notícias não estão querendo caridade. Estamos simplesmente pedindo uma chance real e uma área de atuação igualitária.”

Emily Bell, diretora do Centro de Jornalismo Digital Tow da Universidade Columbia, disse que o dinheiro é vital para as redações no curto prazo. “Mas ele não é dado em um nível que tenha um efeito duradouro na área, e não está mudando nada.”

As duas companhias disseram à “Reuters” que estão genuinamente comprometidas em ajudar veículos de notícias locais e regionais e que ambos continuarão a oferecer apoio depois que as iniciativas de US$ 600 milhões vencerem em alguns meses.

VEJA MAIS: EUA revogam decretos de Trump contra TikTok e WeChat

O objetivo do Projeto de Jornalismo do Facebook é ajudar os editores a “fazerem a transição efetiva e prosperarem no mundo digital de hoje, onde têm que encontrar uma audiência muito específica para terem sucesso”, disse Campbell Brown, chefe de parcerias de notícias do Facebook. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).