Brasil pode comprar milho de EUA e Ucrânia após isenção de tarifa, diz ABPA

Fernando Donasci/Reuters
Fernando Donasci/Reuters

O governo brasileiro anunciou a isenção da tarifa de importação de milho e país deve comprar o cereal dos EUA e Ucrânia

Os Estados Unidos e a Ucrânia poderão fornecer milho ao Brasil após o anúncio pelo governo de uma isenção de tarifas sobre as importações do cereal, disse a ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) hoje (20).

A entidade afirmou também ter solicitado ao governo autorização para compras de variedades de milho transgênico dos Estados Unidos não aprovados no Brasil, em caso de necessidade emergencial. Tal autorização seria apenas para importação de milho a ser usado na fabricação de ração.

LEIA MAIS: Brasil suspende taxa para importar milho, soja, farelo e óleo de soja

Segundo a ABPA, devido aos altos preços do milho, principal matéria-prima da alimentação animal, a indústria de carnes procura alternativas, incluindo o trigo para compor a dieta de frangos e suínos.

Ontem (19), ao divulgar a suspensão da alíquota aplicada aos embarques provenientes de países de fora do Mercosul, o Ministério da Agricultura indicou que busca conter os preços internos dos grãos, pressionados pela valorização das commodities nos mercados externos.

Segundo o ministério, a medida que zera a TEC (Tarifa Externa Comum) do Mercosul deverá entrar em vigor sete dias após a publicação da resolução, o que ainda não ocorreu.

A isenção vale ainda para soja, óleo e farelo, segundo a pasta. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no

Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App

Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).