Contrato mais ativo do milho atinge US$ 7 por bushel em Chicago pela primeira vez desde 2013

Wenderson Araujo/Trilux/CNA
Wenderson Araujo/Trilux/CNA

Os ganhos ajudaram a elevar os preços da soja e do trigo, afirmaram operadores

Os contratos futuros do milho negociados em Chicago superaram US$ 7 por bushel no contrato mais ativo pela primeira vez desde 2013, com o tempo seco desfavorável à safra no Brasil mantendo a atenção do mercado nas ofertas globais apertadas.

A alta dos preços pouco fez para conter a demanda robusta por milho para ração animal e produção de etanol, abrindo espaço para que o mercado ampliasse ganhos, disseram analistas nos Estados Unidos.

LEIA MAIS: Milho tem máxima de 8 anos com suprimentos apertados e seca no Brasil

“Não houve destruição de demanda” agrícola em meio aos fortes lucros na produção de carnes, afirmou Greg Heckman, presidente-executivo da trading global de grãos Bunge.

“Nós temos bons lucros no setor de animais e boa demanda neste momento”, disse Heckman em uma conferência com analistas sobre os resultados da empresa.

O contrato mais ativo do milho na bolsa de Chicago, para julho, fechou em alta de US$ 0,1725, a US$ 6,9675 por bushel. O mercado mais cedo atingiu uma máxima de US$ 7,04 o bushel, maior preço para um contrato mais ativo desde março de 2013. Já o primeiro contrato do milho igualou a máxima de oito anos registrada ontem (3), de US$  7,5825o bushel.

Os ganhos ajudaram a elevar os preços da soja e do trigo, afirmaram operadores. O vencimento mais ativo do trigo avançou US$ 0,875 centavos, para US$ 7,2675 por bushel, enquanto a soja fechou em alta de US$ 0, 1425 centavos, a US$ 15,3825 por bushel. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).