Leilão da Sotheby’s surpreende com joias vendidas além de suas estimativas

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

O colar de contas de jadeíte “verde imperial” rendeu mais de US$ 8,1 milhões, protagonizando o principal lote do leilão

As coisas estavam indo muito bem no leilão de joias da Sotheby’s de Hong Kong, até os três últimos lotes, todos os quais estavam entre os destaques do superevento online na semana passada na Galeria Sotheby’s.

Uma safira birmanesa não aquecida Royal Blue de 118,88 quilates, descrita como “extraordinária” pela casa de leilões, recebeu muita atenção, mas foi retirada da venda no último momento, conforme visto através da transmissão ao vivo do evento. Estava sendo vendida sem estimativa pública. A safira em forma de almofada montada em um pendente de diamante não tem indicações de aquecimento ou qualquer outro tratamento. Sua cor “azul royal” é um termo comercial que significa que tem uma cor azulada muito atraente e bem saturada. Não houve explicação para sua retirada.

VEJA TAMBÉM: Diamante é vendido por US$ 15,6 milhões e bate recorde de leilões online

Esse foi o mesmo destino de outro lote altamente antecipado, um diamante de 4,84 quilates em forma de pêra azul vívido internamente perfeito. A pedra foi fixada em um anel de platina e ouro rosa flanqueado por dois diamantes de corte brilhante, cada um pesando 1,1 quilates. Sua estimativa fica entre US$ 7,1 milhões e US$ 8,4 milhões. 

Eles foram dois dos últimos três lotes do leilão.

O último lote da venda –dois diamantes em forma de pêra não montados pesando 15,83 e 15,25 quilates–, não foi vendido pois os lances não atingiram o preço de reserva. Sua estimativa era de US$ 2,2 milhões a US$ 2,5 milhões.

Os colecionadores também tiveram a chance de adquirir um par de brincos pendentes de diamantes azuis intensos e sofisticados, outro lote muito aguardado. A joia apresenta diamantes em forma de pêra, pesando 5,95 e 5,24 quilates, cada um suspenso em extravagantes diamantes azuis intensos de corte brilhante, pesando 1,95 e 1,63 quilates, montados em ouro branco 18k. Sua estimativa era de US$ 3,6 milhões a US$ 4,5 milhões.

O lote principal do leilão foi um colar de contas de jadeíte “verde imperial”. Foi oferecido sem estimativa pública e rendeu mais de US$ 8,1 milhões. As 43 contas de jadeíte da joia são designadas com o termo comercial de jadeíte “verde imperial” porque são o melhor espécime de pedra preciosa “Tipo A”, com uma cor verde esmeralda vibrante que é quase transparente. O tamanho das esferas varia de aproximadamente 13 mm a 11,26 mm e tem um peso total de 630 quilates. O colar é completado com um fecho cravejado de diamantes de lapidação brilhante.

Os lances começaram em US$ 4,1 milhões e rapidamente subiram para US$ 6,3 milhões, com nada menos que três pessoas competindo pela joia antes do martelo bater o valor de US$ 6,8 milhões. O colar encerrou a primeira sessão do leilão de 118 lotes em alta.

O lote número dois da venda foi um diamante de 5,22 quilates de canto recortado retangular, corte brilhante de um azul intenso incrustado em um anel de platina e ouro branco com ombros de diamante de corte europeu. O lote foi vendido por US$ 4,4 milhões, pouco acima de sua estimativa.

O lote número três era um rubi birmanês não aquecido de 6,41 quilates, muito esperado, montado em um anel de ouro branco e amarelo 18k cercado por diamantes de lapidação francesa. A joia foi projetada pela casa de alta joalheria contemporânea de Hong Kong, Forms. A Sotheby’s elogiou o tom escuro natural da joia, que foi vendida por US$ 2,8 milhões, no limite superior de sua estimativa.

Também havia duas joias coloridas que excediam em muito suas estimativas. Uma esmeralda colombiana de 9,26 quilates com corte em degraus montada em um anel de ouro branco e rosa 18k que foi vendido por mais de US$ 1,2 milhão. E um par de brincos de safira –pesando aproximadamente 11,06 e 9,20 quilates– cercados por diamantes que renderam pouco mais de US$ 1 milhão.

Ioannis Alexandris, representante da empresa alemã Gemolithos, especializada em joias vintage e gemas raras, disse que várias peças de época venderam bem no leilão, ganhando preços acima ou no limite das estimativas. “As joias vintage são muito fortes. Não apenas as muito antigas, também as dos anos 1980”, revelou.

Ele ficou particularmente impressionado com um par de brincos “floco de neve” e um anel combinando da Van Cleef Arpels, vendidos por US$ 61.780, cerca de três vezes a estimativa mais alta.

LEIA MAIS: Diamante de 102 quilates será leiloado sem reserva pela Sotheby’s

Alexandris ficou igualmente impressionado com o preço alcançado por um novo pingente de caleidoscópio Harry Winston feito de ouro, diamante e pedras preciosas. A tampa com topo esculpido em malaquita se desenrosca para revelar um orifício de olho no topo de um cilindro de caleidoscópio de ouro padronizado. A peça curiosa foi vendida por US$ 32.515, bem acima de sua estimativa. Harry Winston lançou recentemente uma coleção de joias e relógios baseada no mesmo design.

Três tiaras também chamaram sua atenção, todas vendidas por cima ou no limite superior das estimativas: um conjunto de tiara de diamante Cartier montado em platina que rendeu US$ 357.670, bem acima de sua alta estimativa; Uma tiara de diamantes do final do século 19, possivelmente da firma londrina Carrington & Co., vendida acima das estimativas por US$ 300.768; e uma tiara de diamantes possivelmente moldada pelo joalheiro Royal Garrard, incrustada com diamantes antigos de lapidação europeia. A última joia também pode ser usada como três broches separados e uma pulseira, arrecadando US$ 178.835, dentro das estimativas. “As peças antigas são muito resistentes e as tiaras são muito procuradas no comércio”, disse.

Os resultados entre dois grandes joalheiros contemporâneos foram mistos. O primeiro, um conjunto de três broches de jadeíte, diamantes e safira rosa de Cindy Chao, foi vendido por US$ 195.100, atendendo a sua estimativa mais alta. O segundo, um anel de ouro branco e rosa 18k projetado pelo artista contemporâneo de alta joalheria de Hong Kong, Nicholas Lieou, que apresenta um cabochão de jadeíte de 24,88 quilates combinado com um diamante extravagante de 2,08 quilates oval rosa púrpura oval, não conseguiu encontrar um comprador. Sua estimativa era de US$ 1,4 milhão a US$ 1,9 milhão.

O leilão totalizou mais de US$ 39,2 milhões.

Veja as peças mais marcantes do leilão na galeria abaixo:

  • A safira birmanesa não aquecida Royal Blue de 118,88 quilates foi descrita como “extraordinária” pela casa de leilões.

    Reprodução/Forbes
  • O diamante de 4,84 quilates em forma de pêra azul vívido também foi um destaque.

    Reprodução/Forbes
  • Os colecionadores também tiveram a chance de adquirir um par de brincos pendentes de diamantes azuis intensos e sofisticados.

    Reprodução/Forbes
  • O rubi birmanês não aquecido de 6,41 quilates foi vendido por US$ 2,8 milhões, no limite superior de sua estimativa.

    Reprodução/Forbes
  • O anel de jadeíte e diamante rosa foi projetado pelo artista contemporâneo de alta joalheria de Hong Kong, Nicholas Lieou.

    Reprodução/Forbes

A safira birmanesa não aquecida Royal Blue de 118,88 quilates foi descrita como “extraordinária” pela casa de leilões.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).