10 melhores países para ser um nômade digital

Reprodução Forbes
Reprodução Forbes

Com as campanhas de vacinação se concretizando e a esperança de mais liberdade, nunca houve melhor momento para abraçar a vida como um nômade digital

Nos últimos anos, o conceito de trabalho remoto se tornou uma realidade cotidiana, à medida que as tecnologias melhoram e o mundo corporativo aceita e adere a ele. A modalidade também foi impulsionada pela pandemia de Covid-19 por conta das regras de isolamento social impostas por muitos países pelo mundo.

Com as campanhas de vacinação se concretizando e a esperança de mais liberdade, nunca houve melhor momento para abraçar a vida como um nômade digital –trabalhando remotamente, mas também viajando (para lugares e em momentos em que isso é seguro), adquirir novas experiências e promover uma mudança completa de estilo de vida.

VEJA TAMBÉM: Anywhere office: o trabalho remoto veio para ficar

Em resposta à crescente necessidade de trabalhar em casa, muitos países liberaram vistos de férias-trabalho para encorajar uma nova forma de turismo e reabastecer seus cofres gravemente afetados pela pandemia. Afinal, se você trabalhou remotamente por meses, não há razão para não continuar a fazê-lo de mais longe, seja um refúgio na montanha, um resort à beira-mar ou uma cidade distante que você ama.

Entretanto, há alguns aspectos vitais a serem considerados ao escolher em qual país se estabelecer para trabalhar remotamente. Com isso em mente, a Circle Loop, contabilizando uma série de fatores –desde o preço e a velocidade das conexões de rede até os preços de aluguel e pesquisas remotas de empregos; inclui até classificações de países no Índice Global de Felicidade– fez um levantamento sobre o assunto. Com o resultado da pesquisa nasceu o Digital Nomad Index (Índice Nômade Digital, na tradução literal), que classifica os dez melhores países para trabalhar remotamente e viver bem.

Em primeiro lugar está o Canadá. Lar de um dos maiores centros de tecnologia do mundo, tem uma boa pontuação em todas as categorias, desde velocidades rápidas de internet até uma boa colocação Índice Global de Felicidade e, de longe, é o país com o maior número de buscas por empregos remotos entre os dez primeiros colocados. Ao adicionar a fama de ser um dos países mais amigáveis ​​e acolhedores do mundo, é fácil ver por que 21,3% de sua população é composta de imigrantes e por que está no topo do índice deste ano.

Surpreendentemente, considerando a atual turbulência causada pelo Brexit, o Reino Unido é o segundo colocado graças ao volume de empregos remotos disponíveis, juntamente com um alto padrão de vida. Ele lidera uma forte sequência de países europeus que dominam o índice –além do Canadá, o único outro país não europeu entre os dez primeiros é a Austrália na nona posição.

O terceiro lugar vai para a Romênia –um país não está no radar nômade digital da maioria das pessoas. Como um dos mercados de tecnologia da informação de crescimento mais rápido na Europa Central e Oriental, a Romênia representa um grande casamento de oportunidades e custos de vida incrivelmente baixos –pacotes de banda larga de linha fixa de alta velocidade custam cerca de US$ 8 por mês.

Veja, na galeria de imagens a seguir, os dez melhores países para ser um nômade digital:

  • 1º. Canadá

    Velocidade média da internet banda larga (Mbps): 149,35
    Velocidade média da rede móvel de internet (Mbps): 84,54
    Custo médio da internet banda larga: US$ 34,86
    Custo do aluguel para um apartamento de um quarto: US$ 1021
    Visto férias-trabalho: Sim
    Pontuação no Índice Global de Felicidade: 7,23
    População migrante: 21,3%
    Busca anual por trabalhos remotos no país: 83.900

    Nota final: 74,35

    iStock
  • 2º. Reino Unido

    Velocidade média da internet banda larga (Mbps): 76,49
    Velocidade média da rede móvel de internet (Mbps): 41,72
    Custo médio da internet banda larga: US$ 35,71
    Custo do aluguel para um apartamento de um quarto: US$ 997
    Visto férias-trabalho: Sim
    Pontuação no Índice Global de Felicidade: 7,17
    População migrante: 14,1%
    Busca anual por trabalhos remotos no país: 68.400

    Nota final: 63,43

    iStock
  • 3º. Romênia

    Velocidade média da internet banda larga (Mbps):188,55
    Velocidade média da rede móvel de internet (Mbps): 41,48
    Custo médio da internet banda larga: US$ 8,15
    Custo do aluguel para um apartamento de um quarto: US$ 349
    Visto férias-trabalho: Sim
    Pontuação no Índice Global de Felicidade: 6,12
    População migrante: 2,4%
    Busca anual por trabalhos remotos no país: 10.980

    Nota final: 62,28

  • 4º. Suécia

    Velocidade média da internet banda larga (Mbps): 158,73
    Velocidade média da rede móvel de internet (Mbps): 56,64
    Custo médio da internet banda larga: US$ 39,6
    Custo do aluguel para um apartamento de um quarto: US$ 952
    Visto férias-trabalho: Sim
    Pontuação no Índice Global de Felicidade: 7,35
    População migrante: 20%
    Busca anual por trabalhos remotos no país: 3.490

    Nota final: 61,64

    iStock
  • 5º. Dinamarca

    Velocidade média da internet banda larga (Mbps): 179,81
    Velocidade média da rede móvel de internet (Mbps): 66,68
    Custo médio da internet banda larga: US$ 48,23
    Custo do aluguel para um apartamento de um quarto: US$ 1.139
    Visto férias-trabalho: Sim
    Pontuação no Índice Global de Felicidade: 7,65
    População migrante: 12,5%
    Busca anual por trabalhos remotos no país: 1.080

    Nota final: 61,49

    iStock
  • 6º. França

    Velocidade média da internet banda larga (Mbps): 177,93
    Velocidade média da rede móvel de internet (Mbps): 50,45
    Custo médio da internet banda larga: US$ 27,81
    Custo do aluguel para um apartamento de um quarto: US$ 815
    Visto férias-trabalho: Sim
    Pontuação no Índice Global de Felicidade: 6,66
    População migrante: 12,8%
    Busca anual por trabalhos remotos no país: 5.360

    Nota final: 60,8

    iStock
  • 7º. Holanda

    Velocidade média da internet banda larga (Mbps): 125,82
    Velocidade média da rede móvel de internet (Mbps): 88,13
    Custo médio da internet banda larga: US$ 42,43
    Custo do aluguel para um apartamento de um quarto: US$ 1.304
    Visto férias-trabalho: Sim
    Pontuação no Índice Global de Felicidade: 7,45
    População migrante: 13,4%
    Busca anual por trabalhos remotos no país: 3.440

    Nota final: 60,27

    iStock
  • 8º. Austrália

    Velocidade média da internet banda larga (Mbps): 58,52
    Velocidade média da rede móvel de internet (Mbps): 88,35
    Custo médio da internet banda larga: US$ 48,35
    Custo do aluguel para um apartamento de um quarto: US$ 1.231
    Visto férias-trabalho: Sim
    Pontuação no Índice Global de Felicidade: 7,22
    População migrante: 30%
    Busca anual por trabalhos remotos no país: 17.600

    Nota final: 60,16

    Prasit photo/Getty Images
  • 9º. Suíça

    Velocidade média da internet banda larga (Mbps): 186,4
    Velocidade média da rede móvel de internet (Mbps): 73,85
    Custo médio da internet banda larga: US$ 72,1
    Custo do aluguel para um apartamento de um quarto: US$ 1.661
    Visto férias-trabalho: Sim
    Pontuação no Índice Global de Felicidade: 7,56
    População migrante: 29,9%
    Busca anual por trabalhos remotos no país: 3.840

    Nota final: 60,15

    iStock

1º. Canadá

Velocidade média da internet banda larga (Mbps): 149,35
Velocidade média da rede móvel de internet (Mbps): 84,54
Custo médio da internet banda larga: US$ 34,86
Custo do aluguel para um apartamento de um quarto: US$ 1021
Visto férias-trabalho: Sim
Pontuação no Índice Global de Felicidade: 7,23
População migrante: 21,3%
Busca anual por trabalhos remotos no país: 83.900

Nota final: 74,35

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).