Os 6 melhores lugares para ficar em Dubai

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Seja a turismo ou a negócios, as hospedagens de Dubai oferecem tudo o que é preciso

A parte mais importante de planejar uma visita a Dubai é escolher em qual região ficar.

Como nos mudamos temporariamente para Dubai para explorar a vida como nômades digitais durante o lockdown no Reino Unido, decidimos que seria uma oportunidade incrível de conhecermos o lado mais íntimo da cidade. Ficávamos em diferentes hotéis de Dubai a cada três ou cinco dias, o que pode parecer árduo, mas na verdade aumentou meu conhecimento sobre a cidade. Após ter visitado Dubai seis vezes, esta é a primeira vez que vejo tantas coisas novas.

VEJA TAMBÉM: Nove novos hotéis para visitar em 2021

A exploração de Dubai também foi parcialmente motivada por querermos conhecê-la melhor, já que essa é a nossa segunda casa. Quanto mais áreas e hotéis eu explorava, mais percebia que Dubai é uma cidade de cidades e é fácil acabar voltando ao mesmo hotel ou região a cada visita.

Se vou viver alguns meses como uma nômade digital, também posso me tornar um nômade cultural. Confira, na galeria a seguir, seis áreas de Dubai que você deve considerar visitar ou ficar, quando a pandemia permitir, seja como nômade digital, turista ou a negócios:

  • Dubai Marina

    Dubai Marina é indiscutivelmente uma das áreas mais “badaladas” para se hospedar. Os hotéis da região costumam oferecer entretenimento e jantares durante toda a estadia. O lugar tem uma infinidade de opções de restaurantes, bares, lojas e, claro, a própria marina, se você gosta de um passeio de iate.

    Dubai Marina abriga o Dubai Marina Mall e o Pier 7, com sete andares de restaurantes sofisticados e uma tirolesa. A área é movimentada e vibrante, e entendo o porquê de ser um local popular para propriedades residenciais.

    Nós ficamos no Intercontinental Dubai Marina, que foi um alívio moderno e luxuoso da atmosfera agitada da Marina. O hotel está repleto de grandes esculturas contemporâneas, contando com “Os Viajantes”, inspirada na história dos beduínos árabes e que se destaca pelos 20 pés que se estendem pela caminhada até os quartos. O quarto em que ficamos tinha uma varanda com uma vista deslumbrante da marina, do centro comercial e da piscina; era um lugar perfeito para trabalhar no final da tarde e para uma taça de vinho antes do jantar. O Intercontinental Dubai Marina também abriga o restaurante do chef britânico Jason Atherton, Marina Social, premiado com estrela Michelin. Lá, é possível absorver um pouco da atmosfera local com uma comida deliciosa e um cenário deslumbrante à beira-mar. Descobri que o Club International, na cobertura do hotel, era um espaço perfeito para ficar longe de tudo e relaxar. Passei tardes no rooftop conduzindo videochamadas com os clientes com um chá da tarde ou suco natural.

    Reprodução/Forbes
  • Downtown Dubai

    Downtown Dubai é lar de um dos maiores centros comerciais do mundo, do Dubai Mall e da Dubai Fountain, que foi criada pelas mesmas pessoas que nos trouxeram a famosa fonte do Bellagio em Las Vegas. O melhor truque é encontrar um restaurante nos andares superiores do Dubai Mall com varanda e uma bela vista. O centro da cidade também abriga o Burj Khalifa, que é o edifício mais alto do mundo.

    Ficamos no Hotel Indigo, um hotel boutique novinho em folha, que tinha uma beleza peculiar, com papéis de parede surrealistas de um camelo pulando sobre uma nuvem na parede do quarto do hotel e corredores com paredes cobertas por obras de arte. O hotel foi inaugurado em outubro de 2020 e adorei a sensação e o cheiro de novo. Mas o que mais gostei foi a decisão do hotel de focar em trazer trabalhos de artistas locais e oferecer café de um empresário local, o Café Rider. Como empresária, sempre recomendo grandes marcas que apoiam pequenos negócios locais. Os pequenos toques criativos nos quartos e áreas públicas do hotel combinam com as janelas que cobrem as paredes e têm vista para o Canal de Dubai.

    A estética do hotel foi inspirada na história de Dubai Creek. Os itens da recepção e as 200 peças de arte caracterizam a transformação de Dubai de uma doca comercial com a agitação de Dhows e Abra’s (barcos comerciais) para a exuberância arquitetônica moderna da cidade. É ótimo ver a história ampliada pela arte.

    Reprodução/Forbes
  • Jaddaf Waterfront

    Muito próximo de Downtown Dubai, a cerca de oito minutos do Dubai Mall e do Burj Khalifa e a 15 minutos do aeroporto, mas parece verdadeiramente remoto. O Jaddaf Waterfront é um bairro tranquilo, com uma área residencial de luxo e uma bela localização à beira-mar. É também o lar do Jaddaf Waterfront Sculpture Park com instalações ao ar livre, o primeiro parque de esculturas ao ar livre dos Emirados Árabes Unidos.

    O edifício mais emblemático neste bairro é o Palazzo Versace Hotel, um hotel que lembra um palácio italiano do século 16. O prédio é uma obra-prima da arquitetura de luxo tradicional. Em contraste com os outros hotéis, o Palazzo Versace tem um ar antigo, com roupas de cama de seda floral e toques dourados da riqueza do estilo Versace e cabeças icônicas de Medusa.

    Por conta do ambiente mais tranquilo do Jaddaf Waterfront, o Palazzo Versace tinha um público mais maduro e menos agitação. Foi também um local ideal para reuniões, com um vasto e ornamentado hall de recepção, oito restaurantes e jardins –paisagísticos –certamente há espaço para impressionar os visitantes.

    Se você tem reuniões na cidade e quer um lugar tranquilo para se refugiar nas proximidades, este funciona muito bem.

  • Dubai City Festival (DFC)

    O Dubai City Festival é um destino versátil construído ao longo de um riacho de 3,3 quilômetros, composto por espaços residenciais, educacionais, comerciais e sociais. Há também um shoppings e um enorme centro comercial.

    Existem apenas quatro hotéis no DFC, nós nos hospedamos no Intercontinental Festival City, reservamos uma suíte presidencial e fomos presenteados com vistas de tirar o fôlego da orla. A ampla suíte tinha todas as comodidades possíveis para proporcionar uma experiência excepcional. A mais emocionante foi uma sauna a vapor privativa. Além dos quatro hotéis, o DFC é cercado por prédios baixos, e há a oportunidade de interagir com os habitantes locais. O lounge executivo no Intercontinental Festival City foi ideal porque proporciona um espaço perfeito para trabalhar longe do quarto e interagir com outras pessoas.

    Como parte da reserva, tivemos uma experiência tradicional, com um barco de madeira inicialmente usado na indústria de pesca em Dubai. Foi uma ótima oportunidade de ver o rio cênico de Dubai em um barco de transporte histórico. Do outro lado do riacho, também pude ver a nova biblioteca de última geração Mohammed Bin Rashid, com 66 mil metros quadrados que abrigam 4,5 milhões de livros impressos, digitais e de áudio. O prédio custou cerca de 1 bilhão de AED (US$ 272 mil) para ser construído, mas infelizmente ainda não parece está aberto.

    Reprodução/Forbes
  • Dubai Trade Centre District

    Essa região é considerada o coração do distrito financeiro e empresarial, já que o Dubai World Trade Centre hospeda feiras, exposições, concertos e convenções globais. Sheikh Zayed Road, a estrada mais longa dos Emirados Árabes Unidos, com 558 km, que vai de Abu Dhabi a Ras Al Khaimah, é ótima se você quiser ver uma seleção dos melhores supercarros do mundo.

    Uma visita que não pode faltar no roteiro é a praia La Mer, localizada à beira-mar com lojas, restaurantes e um parque aquático. É um destino repleto de diversão dia e noite. Há também o Flamingo Park no Santuário de Vida Selvagem de Ras Al Khor. Os habitantes locais sempre mencionam esse local, mas ele está fechado temporariamente devido à Covid-19.

    Nós ficamos no Voco, um hotel de luxo que orgulhosamente proclama que suas camas sustentáveis ​​são feitas de garrafas de plástico recicladas e tem chuveiro econômico. O hotel tem um spa premiado, onde fiz uma massagem profunda para aliviar a tensão após um longo dia, que foi encerrado por um jantar no premiado restaurante indiano Tresind, eleito um dos 50 melhores restaurantes do mundo pela Discovery.

    Reprodução/Forbes
  • The Palm Jumeirah Dubai

    O Palm Jumeirah é um arquipélago artificial feito de sete milhões de toneladas de rocha das montanhas Hajar. O projeto de US$ 12 bilhões foi iniciado em 2001 e levou seis anos para ser construído. Lembro-me de estar em Dubai em 2002 com meus pais quando o Palm ainda era apenas um conceito e é incrível estar nele agora e ver no que ele se tornou.

    A ilha abriga a The Pointe, a fonte da região que ganhou o título oficial do “Guinness World Records” como a maior do mundo. “As duas gigantescas plataformas flutuantes cobrem 14 mil metros quadrados de água do mar, torres de 105 metros de altura que iluminam o céu com três mil luzes de LED” e shows do pôr do sol à meia-noite.

    Além de um destino para turistas e nômades digitais como eu, o The Palm tem 21 hotéis. Um dos meus favoritos é o Five Palm, um hotel agitado. É um resort que tem muito a oferecer, com restaurantes, spa e uma bar na cobertura. O Five Palm está localizado no início da ilha, o que dá fácil acesso ao “continente” de Dubai.

    Eu também fiquei no Rixos. O único all-inclusive de Dubai tem clima familiar, cheio de crianças. Localizado no lado leste do arquipélago, o Rixos está mais longe do “continente”, mas como seria de esperar de um resort com tudo incluso, tudo que você precisa está lá. Mas, se quiser sair, o clube de praia Paradise é um ótimo local para adultos passarem algum tempo fora.

    Reprodução/Forbes

Dubai Marina

Dubai Marina é indiscutivelmente uma das áreas mais “badaladas” para se hospedar. Os hotéis da região costumam oferecer entretenimento e jantares durante toda a estadia. O lugar tem uma infinidade de opções de restaurantes, bares, lojas e, claro, a própria marina, se você gosta de um passeio de iate.

Dubai Marina abriga o Dubai Marina Mall e o Pier 7, com sete andares de restaurantes sofisticados e uma tirolesa. A área é movimentada e vibrante, e entendo o porquê de ser um local popular para propriedades residenciais.

Nós ficamos no Intercontinental Dubai Marina, que foi um alívio moderno e luxuoso da atmosfera agitada da Marina. O hotel está repleto de grandes esculturas contemporâneas, contando com “Os Viajantes”, inspirada na história dos beduínos árabes e que se destaca pelos 20 pés que se estendem pela caminhada até os quartos. O quarto em que ficamos tinha uma varanda com uma vista deslumbrante da marina, do centro comercial e da piscina; era um lugar perfeito para trabalhar no final da tarde e para uma taça de vinho antes do jantar. O Intercontinental Dubai Marina também abriga o restaurante do chef britânico Jason Atherton, Marina Social, premiado com estrela Michelin. Lá, é possível absorver um pouco da atmosfera local com uma comida deliciosa e um cenário deslumbrante à beira-mar. Descobri que o Club International, na cobertura do hotel, era um espaço perfeito para ficar longe de tudo e relaxar. Passei tardes no rooftop conduzindo videochamadas com os clientes com um chá da tarde ou suco natural.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).