Como é dirigir um Aston Martin AMR-C01 em um simulador de US$ 80 mil

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

O Aston Martin AMR-C01 é obra do piloto da AM Works, Darren Turner

Sente-se no assento inteiriço de fibra de carbono, os pés nos pedais no fundo do monocoque de carbono, as mãos pousando em um volante de carbono com botões, interruptores e mostradores em torno de um grande display digital. Puxe a embreagem de carbono, selecione a primeira marcha e a libere lentamente. Tente não perder tempo enquanto o piloto do Aston Martin Vantage GT3 cruza o pit lane e sai em um circuito vazio de Brand Hatch, na Inglaterra.

Até o momento, parece real. Mas isso é um simulador. O monocoque de fibra de carbono feito à mão abriga um computador para jogos de última geração e possui uma tela curva Samsung QHD de 48 polegadas que preenche inteiramente sua visão periférica. A posição do assento, embora ajustável para atender crianças e adultos, é compartilhada com o hipercarro Aston Martin Valkyrie.

VEJA TAMBÉM: Jaguar celebra 60 anos do E-Type com 12 restaurações únicas

O Aston Martin AMR-C01 é obra do piloto da AM Works, Darren Turner, e de sua empresa Curv Racing Simulators, de Oxfordshire, na Inglaterra.

Anunciado em setembro de 2020, momento em que os fãs das corridas estavam há meses presos assistindo seus heróis da F1 competirem online. O AMR-C01 já está se provando popular em escala internacional. Três exemplares estavam sendo montados na oficina no dia da minha visita, com destino ao Chile, Bahrein e Ilha de Man. Os pedidos anteriores foram para a França e a Letônia, onde o comprador também possui um Aston Martin Vulcan. “Nossa carteira de pedidos está muito boa no momento”, afirma Turner, acrescentando que o nível atual de demanda é perfeito para o espaço que a Curv e sua equipe têm para trabalhar.

Veja, na galeria de imagens a seguir, os detalhes do simulador de luxo:

  • Ao todo, a Curv espera vender 150 exemplares e oferece uma gama de opções de pintura e acabamento que podem ser adaptados seguindo os requisitos específicos de cada cliente.

    Um assento deslizante e uma caixa de pedal ajustável eletronicamente com 200 mm de curso significa que o simulador pode ser usado por jogadores ricos e seus filhos pequenos. Turner diz que a filha de nove anos de um cliente é fã, embora sejam necessárias algumas almofadas elevatórias.

    O simulador parece autêntico a partir do momento em que me sento no banco de carbono com acabamento em couro. Uma roda no estilo Fórmula 1 customizada pela Precision Sim Engineering possui mostradores para controle de tração, ABS e polarização de freio, um botão para o limitador de velocidade da pit lane e um conjunto de remos de mudança de marcha táteis. Eu já tive a sorte de segurar o volante do simulador driver-in-loop da Mercedes-AMG F1 e agora posso dizer que o Aston AMR-C01 possui o mesmo nível de autenticidade.

    Turner me explicou como outros simuladores estão frequentemente “escondidos em garagens ou no quarto de hóspedes porque são horríveis.” Segundo ele, “uma das coisas que realmente não queríamos fazer era ter uma estrutura de metal com painéis de carbono. Queríamos que fosse um monocoque de fibra de carbono como um monolugar. É um item de luxo completamente diferente e, pelo que eu sei, é o único monocoque totalmente de carbono.”

    Reprodução/Forbes
  • O design do monocoque significa que o AMR-C01 é rígido e forte o suficiente para suportar os pilotos que colocam 70 kg de pressão no pedal do freio, que foi ajustado com rolhas de borracha para dar a sensação de se estar em um carro de corrida.

    Ele também foi projetado para abrigar um computador completo para jogos de última geração com processador Intel i7, 16 GB de RAM DDR4 e uma GPU Nvidia GTX 3070. Um sistema de ventilação personalizado ajuda a manter tudo fresco, pois o ar é trazido pela frente e expelido pela parte traseira do monocoque. O computador com Windows roda o simulador de corrida Assetto Corsa como padrão com veículos fornecidos por Turner e sua equipe. “Estamos usando dados reais [do mundo] para gerar esses modelos de carro”, diz Turner.

    Os compradores podem executar qualquer simulador ou jogo e há, ainda, outras opções como iRacing e rFactor2.

    O volante é ótimo e é apresentado com punhos de borracha castanha (alcantara é outra opção). Ele foi projetado para oferecer uma experiência autêntica de carro de corrida, mas com apenas os botões, mostradores e interruptores de que você realmente precisa. “Para limpar o design e torná-lo mais amigável, excluímos algumas chaves rotativas”, explica Turner.

    Reprodução/Forbes
  • Surpreendentemente pesado, a direção é talvez o que mais separa este simulador de uma configuração de jogo para o consumidor. Quando usado com um carro Aston Martin Vantage GT3 com pneus slick, ele dá aos seus braços um treino adequado, mas transborda de sensibilidade para ajudá-lo a entender o que a frente do veículo está fazendo na entrada de cada curva. Eu mudo para o Valkyrie e a direção é muito mais leve, mas a aceleração está em outro planeta graças ao motor V12 de mil cavalos de potência.

    Terminamos nossa sessão com um Aston Vantage de estrada que, embora soe ótimo através do sistema de alto-falantes Cambridge Audio integrado, parece que está com o freio de mão acionado em comparação com o Valkyrie. Dito isso, o Curv ainda oferece uma experiência realista em velocidades muito mais baixas, com o Vantage quebrando a tração progressivamente quando provocado.

    Reprodução/Forbes
  • Não há como escapar do quão caro o AMR-C01 é. Embora você possa comprar um Aston Martin de segunda mão muito bom pelo mesmo custo, esse não é realmente o ponto. Os compradores deste simulador não olham para o mercado de segunda mão para seu próximo veículo.

    Há uma clara demanda para esses simuladores, como mostra a carteira de pedidos da Curv. Embora seja improvável que os pilotos de F1 os comprem para substituir seus computadores de jogos atual e configuração dos simuladores domésticos, eles estão sendo adquiridos por fãs ricos do automobilismo que admiram o artesanato em carbono tanto quanto a capacidade técnica do sistema – sem mencionar a prática, na opinião de um vencedor de Le Mans.

    Você não consegue isso em um PlayStation.

    Reprodução/Forbes

Ao todo, a Curv espera vender 150 exemplares e oferece uma gama de opções de pintura e acabamento que podem ser adaptados seguindo os requisitos específicos de cada cliente.

Um assento deslizante e uma caixa de pedal ajustável eletronicamente com 200 mm de curso significa que o simulador pode ser usado por jogadores ricos e seus filhos pequenos. Turner diz que a filha de nove anos de um cliente é fã, embora sejam necessárias algumas almofadas elevatórias.

O simulador parece autêntico a partir do momento em que me sento no banco de carbono com acabamento em couro. Uma roda no estilo Fórmula 1 customizada pela Precision Sim Engineering possui mostradores para controle de tração, ABS e polarização de freio, um botão para o limitador de velocidade da pit lane e um conjunto de remos de mudança de marcha táteis. Eu já tive a sorte de segurar o volante do simulador driver-in-loop da Mercedes-AMG F1 e agora posso dizer que o Aston AMR-C01 possui o mesmo nível de autenticidade.

Turner me explicou como outros simuladores estão frequentemente “escondidos em garagens ou no quarto de hóspedes porque são horríveis.” Segundo ele, “uma das coisas que realmente não queríamos fazer era ter uma estrutura de metal com painéis de carbono. Queríamos que fosse um monocoque de fibra de carbono como um monolugar. É um item de luxo completamente diferente e, pelo que eu sei, é o único monocoque totalmente de carbono.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).