Por dentro do Dressarte Paris, o primeiro ateliê de alta-costura com realidade virtual do mundo

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Nathalie Neuilly, CEO do ateliê de alta-costura Dressarte Paris

Alta-costura não é um conceito novo. Na verdade, o termo – genérico para design e fabricação de roupas feitas de acordo com os requisitos e medidas específicas de um cliente – tem sido usado desde 1600.

Claro que a alta-costura não se parece ou atua como era naquela época.

LEIA TAMBÉM: Tiara real italiana arrecada US$ 1,6 milhão em leilão na Suíça

No seu início, a costureira Rose Bertin (a estilista francesa da Maria Antonieta) foi reconhecida por popularizar a alta-costura na cultura francesa, incentivando locais e visitantes elegantes a encomendar roupas feitas sob medida de estilistas e costureiras renomadas de Paris.

Com o passar dos anos, as maiores e melhores delas – Lanvin, Chanel, Shiaparelli, Balenciaga e Dior, para citar apenas algumas – expandiram-se além da alta-costura também, concentrando sua atenção nas coleções de itens prontos para vestir para atender à crescente demanda global.

A procura piorou com o advento e o crescimento exponencial das compras online; com a fast fashion, muitas casas de moda foram obrigadas a aumentar os custos ou encerrar totalmente as atividades de alta-costura, reservando a verdadeira costura (peças originais, sob medida) para quem tinha dinheiro e acesso.

Ou seja, até Nathalie Neuilly, fundadora da Dressarte Paris, decidir criar uma alternativa virtual aos tradicionais ateliês de alta-costura.

“Muitas das experiências de moda e alfaiataria simplesmente não tinham um preço acessível ou conveniente, e eu entendi que é um luxo ter roupas desenhadas e feitas sob medida especialmente para você”, disse Nathalie.

A estilista trabalhava meio período no ateliê de sua mãe desde jovem e teve a sorte de ter a maior parte de seu guarda-roupa feito sob medida (“meu corpo nunca foi o padrão da indústria da moda!”), mas não se sentiu obrigada a trabalhar na própria indústria por algum tempo.

VEJA MAIS: Diamante de 101 quilates irá a leilão em venda de joias em Genebra

“Eu adoro roupas lindas, mas a ideia de criar coleções para outras pessoas tentando adivinhar o que eles comprariam não me agradou”, diz. “Eu realmente acredito em roupas pessoais e feitas sob medida que durarão ao longo dos anos, ao invés de itens produzidos em massa que inevitavelmente acabam em aterros sanitários.”

Sem um caminho atraente na indústria, Nathalie estudou negócios internacionais e gerenciamento de TI e passou anos trabalhando no mundo corporativo.

“Acabei me mudando de um país para outro – Holanda, Reino Unido, Europa Oriental, França, Oriente Médio – e colegas e amigos sempre perguntavam onde eu comprava minhas roupas e se havia uma maneira de eles pedirem sob medida também.”

Para Nathalie, parecia existir uma lacuna no mercado internacional que ela tinha experiência para preencher, mas passou os anos seguintes brincando com conceitos antes de lançar a Dressarte como um ateliê virtual em 2018.

“Eu queria tornar a experiência de compra pessoal da Dressarte uma opção mais acessível para quem procura alfaiataria premium, não importa onde no mundo eles estivessem, mas eu não tinha certeza se a ideia de pedir roupas sob medida online seria apreciada por outros e eu não pretendia investir uma fortuna.”

Nathalie manteve os custos baixos investindo suas economias pessoais na criação do primeiro site da Dressarte e pedindo à família para investir seu tempo dentro do negócio no lançamento.

LEIA TAMBÉM: Paul McCartney ilustra nova série de Selos Reais britânicos

“A falta de um grande investimento externo não é necessariamente uma coisa ruim, pois faz você pensar fora da caixa e obter novas habilidades, mas devo admitir que no início minha jornada não foi recompensadora a todos. Minhas ideias enfrentaram um grande número de obstáculos.”

Sabendo que era crucial não apenas permitir que os clientes tirassem suas medidas, mas também ver as roupas que estavam comprando virtualmente, ela lutou para desenvolver a tecnologia necessária para fazer o conceito funcionar.

De forma um tanto casual, no entanto, ela foi abordada por uma empresa que ofereceu um aplicativo de medição virtual acessível e preciso algumas semanas após o lançamento do site.

“Foi um alento e um sinal de que, afinal, pode haver um lugar para um negócio online feito sob medida na indústria da moda”, diz. “Embora parecesse algo inatingível e extremamente difícil de administrar, acabou sendo a direção certa.”

Embora a empresa tenha confiado em pouco mais do que medições virtuais e coleções pré-esboçadas para começar, agora tudo é feito sob medida.

“Negócios feitos sob medida são desafiadores, mas quando você oferece um serviço deste tipo, isso complica ainda mais os processos de negócios. No entanto, demos uma chance e, imediatamente, vimos um número crescente de pedidos, especialmente na categoria de vestidos de noiva.”

VEJA MAIS: Do glamour das festas ao conforto do homewear: a transformação da Karin Guerekmezian Couture na pandemia

Com o desenvolvimento acelerado do e-commerce devido a Covid-19, moda 3D e digital também, a Dressarte agora usa imagens em três dimensões e realidade virtual para dar vida a cada parte da experiência de alta-costura do cliente.

A empresa, atualmente, se concentra em pacotes de design, incluindo designs únicos, guarda-roupas cápsula e roupas de casamento, todos incluem o serviço de um estilista, designer e alfaiate.

Melhor ainda? Eles, geralmente, custam duas a três vezes menos do que as alternativas de designers prontos para usar.

“Por muito tempo acreditou-se que o sob medida era algo extremamente caro e reservado para um certo número de pessoas, mas há anos uso minhas roupas sob medida. Eu sabia o que significa produção de moda sustentável e consciente muito antes de se tornar uma hashtag de tendência no Instagram, porque eu vi em primeira mão. Mas nem todo mundo consome roupas dessa forma.”

Ciente de que ela nunca será capaz de competir com os preços da fast fashion enquanto comprar roupas de maneira ética e criar peças personalizadas, Nathalie espera que seu serviço inovador ajude mais pessoas a fazerem escolhas de moda sustentáveis. Mesmo que seja apenas para compras “valiosas”, como vestidos de noiva.

“O lançamento da nossa Coleção Digital de Casamento, com vestidos desenhados em 3D, tem sido um grande sucesso”, afirma. “Nós não apenas mostramos que há uma maneira diferente de exibir coleções sem produzi-las – economizando no desperdício – mas também inspiramos muitas noivas a criarem seus próprios trajes de casamento.”

LEIA TAMBÉM: Joias dadas a filha adotiva de Napoleão serão leiloadas pela Christie’s

Até o momento, o período de maior crescimento da empresa coincidiu com a pandemia de coronavírus, capitalizando na redução das oportunidades de compras offline.

“Produtos de outras marcas enfrentam cascatas de custos provocadas pelo uso de showrooms, operações do varejo e sazonalidade, entre outros elementos”, acrescenta. “Nosso modelo de negócios é muito diferente, pois construímos nossa própria cadeia de suprimentos, adquirindo tecidos excedentes luxuosos diretamente das fábricas, produzindo sob demanda e enviando diretamente para nossos clientes.”

E depois de um ano de crescimento inesperado, ela não quer mudar nada.

Para dimensionar, a empresa está se concentrando na criação de novas coleções digitais, com designers 3D independentes, para mostrar a ampla gama de roupas que podem ser personalizadas e feitas sob medida, bem como uma gama secreta de itens que não são vestuário e serão revelados em breve.

“Esperamos nos tornar o centro de produtos personalizados e feitos sob medida, com tecnologia e habilidade em nosso coração”.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).