Área técnica recomenda que Anvisa rejeite pedido de importação da Sputnik V

Lucy Nicholson/Reuters
Lucy Nicholson/Reuters

As recomendações da área técnica do órgão regulador serão levadas em conta para a decisão final da diretoria

A área técnica da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recomendou hoje (26) que a diretoria do órgão rejeite os pedidos de importação da Sputnik V feitos por 10 estados brasileiros. 

Em seu parecer, o gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos do órgão, Gustavo Mendes, disse que não poderia avaliar adequadamente o pedido em razão da falta de informações mínimas para se garantir uma análise da segurança, qualidade e eficácia do imunizante.

LEIA MAIS: Anvisa marca reunião para 2ª para avaliar importação da vacina Sputnik V

As recomendações da área técnica do órgão regulador serão levadas em conta para a decisão que a diretoria colegiada fará sobre o pedido de importação ainda nesta segunda.

Entre um dos principais pontos observados pela área técnica, relatou o gerente da Anvisa, foi verificada a possibilidade de replicação do adenovírus utilizado para levar o material genético do coronavírus para o corpo – o contrário do efeito que se pretende com a imunização.

“Um dos pontos críticos, cruciais, foi a presença de adenovírus replicante na vacina. Isso significa que o vírus, que deve ser utilizado apenas para carregar o material genético da doença para as células humanas e promover a resposta imune, pode acabar se replicando. Isso é uma não-conformidade grave”, afirmou.

Segundo Mendes, o órgão não recebeu documentos a respeito sobre a questão da replicação do vírus. Ele afirmou que também não constavam informações de detalhes dos eventos adversos de quem tenha recebido a vacina – um ponto que deveria constar em bula de um futuro imunizante, em caso de aprovação.

O gerente da Anvisa relatou ainda que não foram apresentadas informações sobre o perfil de segurança da vacina por faixa etária, comorbidades e para quem já tenha sido infectado com o coronavírus.

Mendes disse que nas informações sobre a fase 3 dos ensaios clínicos – última etapa de testes antes da aprovação para uso nas pessoas – não houve sequer a avaliação padronizada dos participantes. Outra questão em aberto, conforme o órgão, foi a falta de dados de comparação dos lotes de caráter clínico para a escala industrial.

“Não foi possível estabelecer se os lotes utilizados nos estudos clínicos, de 5 litros, são comparáveis aos lotes de 1.000 litros a serem enviados ao Brasil”, destacou.O gerente ainda citou falta de informações a respeito se o imunizante é estéril e se não seria passível de contaminação. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).