Queiroga pede que países que têm doses de vacina sobrando auxiliem Brasil

Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

O ministro da Saúde pediu que o país receba o mais rápido possível as vacinas que acertou adquirir por meio do mecanismo Covax Facility

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, fez um apelo hoje (30) para que países que têm doses sobrando de vacinas contra Covid-19 as enviem para o Brasil e pediu que o país receba o mais rápido possível as vacinas que acertou adquirir por meio do mecanismo Covax Facility, liderado pela OMS (Organização Mundial de Saúde).

Ao participar remotamente de entrevista da OMS em Genebra, Queiroga também disse estar comprometido em acelerar o programa de vacinação contra a Covid-19 no Brasil e defendeu que as fabricantes de imunizantes devem facilitar acordos de licenciamento e transferência de tecnologia.

LEIA MAIS: Senado aprova autorização para quebra de patentes de vacinas contra Covid-19

Mais de 1,5 milhão de pessoas deixaram de tomar a segunda dose das vacinas contra a Covid-19 no Brasil, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde nesta semana. Segundo especialistas, o sucesso da campanha de vacinação pode até ser colocado em risco se mais pessoas continuarem a não comparecer para tomar a segunda dose.

O Instituto Butantan, responsável por produzir a CoronaVac no Brasil, foi obrigado a interromper o envase do imunizante por falta de insumos neste mês e adiou uma entrega de 5 milhões de doses. Uma nova carga de insumos chegou da China na semana passada. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).