União Química vai iniciar produção da vacina Sputnik V para exportação

Shamil Zhumatov/Reuters
Shamil Zhumatov/Reuters

Mesmo sem aprovação da Anvisa ao imunizante, o laboratório União Química produzirá a Sputnik V para o exterior

O laboratório brasileiro União Química planeja começar a produzir a vacina russa contra Covid-19 Sputnik V na próxima semana, apesar da falta de aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) até o momento para uso do imunizante no país, disse o presidente-executivo da farmacêutica hoje (07).

O CEO e fundador da União Química, Fernando Marques, afirmou que a unidade da empresa em São Paulo que recebeu certificado da Anvisa de boas práticas de produção será encarregada de produzir a vacina para exportação para países que a aprovaram.

LEIA TAMBÉM: OMS dá aprovação de emergência a 1ª vacina da China contra Covid-19

“Nossa intenção é iniciar a produção já na próxima semana com a finalidade de exportação desta produção”, afirmou Marques em audiência no Congresso, acrescentando que a Sputnik V não será usada no Brasil até que seja aprovada, mas que países vizinhos da América Latina aprovaram a vacina e querem entregas.

Na semana passada, a Anvisa barrou importações da Sputnik V por governadores que buscam reforçar a campanha de imunização contra uma doença que já matou mais de 415.000 brasileiros.

Em um revés para a vacina russa, a equipe técnica da Anvisa alertou para “falhas” no desenvolvimento e nos testes clínicos da Sputnik, e disse que os dados apresentados sobre segurança e eficácia da vacina estavam incompletos.

Os desenvolvedores russos da Sputnik negam qualquer tipo de problema no desenvolvimento e produção do imunizante.

Em comentário no Senado hoje (07), Marques afirmou que a União Química espera receber um lote de insumo farmacêutico ativo de Moscou na próxima semana para começar a produzir a vacina para exportação em sua fábrica próxima ao aeroporto de Guarulhos (SP).

O Fundo Russo de Investimento Direto, que é responsável pela comercialização da vacina desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa Gamaleya, planeja fornecer a vacina para países da América Latina a partir do Brasil. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).