Forbes 400: as mulheres mais ricas dos Estados Unidos em 2020

 Steve Jennings/Getty Images
Steve Jennings/Getty Images

As 56 mulheres da lista de 2020 têm mais fortuna hoje do que em todos os anos anteriores

Há apenas 56 mulheres na lista Forbes 400 deste ano, das pessoas mais ricas dos Estados Unidos, o mesmo número do ano passado. Mas, como um grupo, elas estão mais ricas do que nunca, valendo um total combinado de US$ 452 bilhões (acima dos US$ 430 bilhões de 2019). Duas dessas 56 mulheres (Judy Love e Lynda Resnick) fundaram empresas com seus maridos e estão na lista da Forbes como parte de um casal.

Leia mais: Presidente do Google conta como empresa está atuando na transformação digital no Brasil

A boa sorte não foi distribuída uniformemente. Quase todo o ganho de US$ 22,5 bilhões foi para duas mulheres: MacKenzie Scott e Alice Walton. Scott, que mudou seu sobrenome de Bezos para o nome do meio em julho, recebeu uma participação de 4% na Amazon após seu divórcio de Jeff Bezos em 2019, ela está mais de US$ 20 bilhões mais rica do que há um ano, após um salto de 64% nas ações da gigante do comércio eletrônico. Walton (patrimônio líquido: US$ 62,3 bilhões), herdeira da fortuna do Walmart, viu seu patrimônio líquido aumentar quase US$ 11 bilhões desde o Forbes 400 de 2019 devido a um aumento nas ações do Walmart depois que a empresa passou a fazer vendas online de mantimentos e produtos domésticos durante o pandemia.

Mais de 60% das mulheres da lista valem menos neste ano do que no ano passado. Enquanto as ações de e-commerce e videogames aumentaram durante a pandemia, outros setores, incluindo hospitalidade, petróleo e gás, sofreram. Elaine Wynn (patrimônio líquido: US$ 1,7 bilhão), maior acionista da gigante dos cassinos Wynn Resorts, saiu da lista: o turismo parou e suas ações caíram 33% desde a lista de 2019.

A única mulher recém-chegada é Alice Schwartz (patrimônio líquido: US$ 2,2 bilhões), que foi cofundadora da Bio-Rad Laboratories, fabricante de diagnósticos e pesquisas de ciências biológicas, com seu marido em 1952. As ações da empresa, que possui um produto usado nos testes de Covid-19, e tem um teste próprio, dispararam durante a pandemia. Aos 94 anos, ela é a recém-chegada mais velha deste ano.

Apenas 11 das 56 mulheres da Forbes 400 são independentes, o que significa que construíram suas fortunas sozinhas ou com seus cônjuges. A magnata da construção Diane Hendricks (patrimônio líquido: US$ 7 bilhões) é a mais rica entre elas. As outras 45 herdaram sua riqueza de suas famílias, cônjuges falecidos ou, como MacKenzie Scott, obtiveram sua fortuna como parte do acordo de divórcio. Todas as dez mulheres mais ricas da lista herdaram suas fortunas.

Leia também: Conheça a história dos 15 anos do YouTube

A lacuna de riqueza racial da América (os brancos detêm quase 85% da riqueza do país, apesar de representar pouco mais de 60% da população, de acordo com o Federal Reserve e o U.S. Census Bureau) é ainda mais pronunciada entre as mulheres mais ricas do país. Apenas duas na lista, que são Oprah Winfrey e Thai Lee (a mulher por trás da fornecedora de TI SHI International) são mulheres não caucasianas.

A Forbes calculou o patrimônio líquido da lista Forbes 400 deste ano usando os preços de ações em 24 de julho de 2020.

Aqui estão as nove mulheres mais ricas dos EUA:

  • Alice Walton
    Patrimônio líquido: US$ 62,3 bilhões

    Filha única do fundador do Walmart, Sam Walton, Alice focou sua carreira no mundo da arte. Ela recebeu a Medalha Getty em fevereiro por suas contribuições para o campo. Em 2011, ela abriu o Museu de Arte Americana Crystal Bridges de US$ 1,2 bilhão em Bentonville, Arkansas, que também abriga a sede corporativa do Walmart. O museu trouxe obras de artistas como Georgia O’Keeffe e Andy Warhol para a cidade de 51 mil habitantes.

    Rick T. Wilking/Getty Images
  • Mackenzie Scott
    Patrimônio líquido: US$ 57 bilhões

    Mackenzie Scott, que tirou Bezos do nome em julho, está trilhando um caminho filantrópico diferente de seu ex-marido. Em maio de 2019, ela assinou o Giving Pledge, prometendo doar pelo menos metade de sua fortuna para causas de caridade (Jeff Bezos não assinou o documento). Em junho, ela anunciou que havia doado quase US$ 1,7 bilhão para organizações sem fins lucrativos que lutam contra questões como desigualdade racial e de gênero, incluindo a Morehouse College e National Women’s Law Center.

    picture alliance/Getty Images
  • Julia Koch
    Patrimônio líquido: US$ 45 bilhões

    Koch apareceu pela primeira vez na Forbes 400 no ano passado, depois que ela e seus filhos herdaram uma participação de 42% no conglomerado de fábricas e combustíveis fósseis Koch Industries após a morte de seu marido, David Koch. Mulher mais rica da cidade de Nova York, Julia Koch supostamente se acomodou em sua propriedade de US$ 27 milhões em Southampton durante a pandemia.

    Patrick McMullan/Getty Images
  • Jacqueline Mars
    Patrimônio líquido: US$ 29 bilhões

    Jacqueline Mars possui cerca de um terço da Mars Inc., a gigante privada de confeitaria que fabrica doces básicos como M&Ms, Snickers e Twix e também é uma grande vendedora de rações para animais de estimação, com 50 marcas, incluindo Pedigree e Whiskas. Seu patrimônio líquido caiu cerca de US$ 700 milhões desde o ano passado. A pandemia pode cancelar o Halloween deste ano, uma fonte significativa de receita.

    Pool /Getty Images
  • Laurene Powell Jobs
    Patrimônio líquido: US$ 16 bilhões

    Laurene Powell Jobs, que herdou bilhões em ações da Apple e da Disney de seu falecido marido, Steve Jobs, dirige a Emerson Collective, uma organização de mudança social que faz doações e investimentos. Ela enfrentou adversidades quando a The Atlantic, onde Emerson Collective é o proprietário majoritário, demitiu 20% de sua equipe em maio, depois que as vendas de propagandas caíram por causa da pandemia.

    Michael Cohen /Getty Images
  • Abigail Johnson
    Patrimônio líquido: US$ 15 bilhões

    Abigail Johnson é presidente e CEO da Fidelity Investments, a gigante dos fundos mútuos fundado por seu avô em 1946. Ela possui quase 25% da empresa, que em outubro de 2019 seguiu a Schwab e a TDAmeritrade e parou de cobrar comissões sobre as negociações de ações dos EUA.

    Boston Globe/Getty Images
  • Ann Walton Kroenke
    Patrimônio líquido: US$ 8,4 bilhões

    Ann Walton Kroenke, a filha mais velha de Bud Walton (irmão do fundador do Walmart, Sam Walton) herdou sua participação no mega-varejista quando seu pai morreu em 1995. Ela é casada com o magnata imobiliário Stanley Kroenke (que vale separadamente US$ 8,3 bilhões). Ann não está envolvida na administração do Walmart e nunca trabalhou na empresa.

    Jerritt Clark/Getty Images
  • Blair Parry-Okeden
    Patrimônio líquido: US$ 8,2 bilhões

    Quando sua mãe, Barbara Cox Kennedy, morreu em 2007, Parry-Okeden e seu irmão Jim Kennedy herdaram, cada um, uma participação de 25% na Cox Enterprises. O conglomerado de mídia é a empresa controladora do provedor de cabo e Internet Cox Communications e Cox Automotive, que inclui um conjunto de empresas automotivas como Kelley Blue Book e Autotrader. A Cox Automotive demitiu ou dispensou mais de 5.400 de seus funcionários nos EUA desde a chegada da pandemia.

  • Nancy Walton Laurie
    Patrimônio líquido: US$ 7,5 bilhões

    Filha mais nova do falecido Bud Walton, Walton Laurie e seu marido, Bill Laurie, possuem o Providence Bank of Missouri. Ela também herdou um pedaço das ações do Walmart. O casal reside principalmente em Henderson, Nevada, um subúrbio de Las Vegas, e possui casas no bairro de Bel Air, em Los Angeles, e em Columbia, Missouri. Como sua tia Alice e sua irmã Ann, Nancy Walton Laurie também viu sua fortuna crescer no ano passado, à medida que as compras online aumentaram as ações do Walmart durante a pandemia.

    Patrick McMullan/Getty Images

Alice Walton
Patrimônio líquido: US$ 62,3 bilhões

Filha única do fundador do Walmart, Sam Walton, Alice focou sua carreira no mundo da arte. Ela recebeu a Medalha Getty em fevereiro por suas contribuições para o campo. Em 2011, ela abriu o Museu de Arte Americana Crystal Bridges de US$ 1,2 bilhão em Bentonville, Arkansas, que também abriga a sede corporativa do Walmart. O museu trouxe obras de artistas como Georgia O’Keeffe e Andy Warhol para a cidade de 51 mil habitantes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).