Taylor Swift vai regravar músicas depois que ter catálogo comprado por US$ 300 milhões

Kevin Winter/Getty Images
Kevin Winter/Getty Images

Em 2019, Taylor Swift se apresentou com uma camisa com os nomes de seus seis primeiros álbuns, que estão sob direito da gravadora Big Machine Records, comprada por Scooter Braun

A cantora Taylor Swift confirmou ontem (16) em um pronunciamento que seu catálogo de músicas foi vendido a um grupo de private equity sem seu conhecimento ou consentimento –a segunda vez que isso acontece em dois anos. O controle sobre sua produção foi adquirido de forma controversa pelo magnata Scooter Braun no ano passado, o que ela descreveu na época como seu “pior cenário”.

A revista “Variety”, a primeira a contar a história, apontou que o negócio vale mais de US$ 300 milhões. Taylor ainda confirmou que o fundo de investimento Shamrock Holdings “comprou 100% das minhas músicas, vídeos e álbum” de Braun.

LEIA MAIS: As mulheres self-made mais ricas dos EUA com menos de 40 anos

No pronunciamento feito no Twitter e no Instagram, ela disse que inicialmente recebeu bem a ideia de trabalhar com a Shamrock, antes de descobrir que o acordo significava que Braun e sua empresa, a Ithaca Holdings, que adquiriu seu catálogo no ano passado, “continuariam recebendo por muitos anos” por suas principais músicas.

A cantora também compartilhou uma carta que escreveu à Shamrock Holdings, na qual ela diz que já começou a regravar suas músicas antigas, algo que ela reconhece que “diminuirá o valor” do investimento da Shamrock.

Em um movimento altamente divulgado, a Ithaca Holdings, de Braun, adquiriu o trabalho da Taylor ao comprar sua antiga gravadora, Big Machine, em 2019, –que detém os direitos de seus primeiros seis álbuns– por quase o mesmo preço que está sendo vendido atualmente o catálogo da cantora. Taylor se opôs veementemente à aquisição e acusou Braun de “intimidar e tentar desmantelar” seu “legado musical”. A artista tem tentado readquirir os direitos de sua música desde então, mas disse que a equipe de Braun nem sequer entraria em negociações a menos que ela assinasse “um acordo de confidencialidade férreo declarando que eu nunca diria outra palavra sobre Braun a menos que fosse positiva”.

Em setembro, e no meio de sua própria briga com a gravadora Universal Music Group, o cantor Kanye West prometeu no Twitter que ajudaria Taylor a recuperar seus direitos, mesmo com um passado tenso entre os dois artistas.

Segundo estimativas da Forbes, o patrimônio líquido de Taylor é de US$ 365 milhões. Neste ano, a estrela foi classificada em 62º lugar na lista das Mulheres Self-Made dos Estados Unidos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).